Agronline
Página inicial dos artigos
Notícia
 
Agricultura
 
Agronegócios
 
Geral
Pecuária
 
Política
 
Tecnologia
 
Inicio > Geral
Cerrado: o bioma mais ameaçado do país
Os troncos tortos, cobertos por uma cortiça grossa, com folhas grandes e rígidas denunciam o bioma: esse é o Cerrado. As árvores são peculiares, assim como a paisagem, quase toda montada por extensas formações savânicas. Importante socialmente, o Cerrado é meio de sobrevivência para famílias de agricultores, diversas comunidades e povos: alimentação, artesanato, remédio. Juntos, homem e meio ambiente, fazem parte do Patrimônio Histórico e Cultural Brasileiro. Riquezas reconhecidas, mas também ameaçadas. "Temos que nos preocupar que daqui a pouco o Cerrado só terá soja e cidades", afirma Isabel Benedetti Figueiredo, assessora técnica do Instituto Sociedade, População e Natureza (ISPN).

A fauna e a flora, que conferem o título de savana mais biodiversa do mundo ao Cerrado, o tornam também o bioma o mais ameaçado do país. Estudos desenvolvidos pelo Ministério do Meio Ambiente (MMA), Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) apontam que, entre 2002 e 2008, o Cerrado teve uma média de desmatamento anual equivalente a 14.200 km² devastados. Entre 2010 e 2011, a taxa de desmatamento foi de 6.469 km², semelhante à da Amazônia, que foi de 6.451 km².

Os motivos para este quadro preocupante estão relacionados à expansão do agronegócio e ao uso predatório do solo. O MMA aponta a lavoura, em especial a produção de grãos como a soja, e a pecuária como as principais atividades responsáveis por essa devastação. Para se ter uma dimensão do problema, 54 milhões de hectares de Cerrado deram lugar a pastagens e 22 milhões estão ocupados por plantações de grãos. Outra monocultura que ameaça a vida no Cerrado é o eucalipto. Essa espécie tem crescimento rápido e, devido ao grande consumo de água, leva ao secamento de nascentes e à exaustão dos mananciais.

Na cidade mineira de Turmalina, no Vale do Jequitinhonha, a monocultura do eucalipto, desde a década de 70, transformou a região na maior floresta plantada contínua de eucaliptos da América Latina. Por não ser uma planta típica do Cerrado, que demanda mais água, o crescimento expressivo dessa plantação de então levou para o Vale do Jequitinhonha um problema que assola não mais apenas uma região ou outra, mas todo o Brasil: a falta de água. Fundado em 1994 em Turmalina, o Centro de Agricultura Alternativa Vicente Nica (Cavi), dirigido exclusivamente por agricultores familiares, tem feito esforço para reverter essa realidade em quatro municípios da região.

A associação trabalha com incentivo a projetos sustentáveis dos agricultores, com assessoria produtiva para a comercialização dos produtores na feira livre da região e com projetos próprios de sustentabilidade. Hoje, são basicamente quatro eixos: acesso e gestão da água; produção agroecológica; empreendimento solidário e empoderamento das mulheres do campo. Entre os projetos desenvolvidos por lá com uso da tecnologia, estão a construção de três tipos de áreas para a recuperação das áreas degradadas.

A barraginha é um reservatório para acumular água. As bacias são espaços construídos por máquinas para facilitar a infiltração da água no solo, aliadas aos terraços suspensos, que também infiltram água da enxurrada. "Isso ajuda nas áreas das nascentes, que voltam a correr água, porque o lençol freático no local fica mais aflorado", explica Sueli Gomes Fernandes, engenheira agrônoma do Cavi.

O presidente do Cavi, João Domingos, diz que é agricultor desde os 8 ou 9 anos de idade. Viu os avós e os pais trabalharem no campo. Ele conta que na época o comportamento era inverso. "Onde tinha nascente, que era muito molhado, a gente abria uma vala para plantar do lado. Hoje, a gente faz totalmente diferente. O pensamento é plantar, mas preservar. Precisamos do meio ambiente para continuar vivendo. Foi uma mudança de consciência mesmo. Que mundo vou deixar quando sair daqui?", pondera João.

O trabalho do Instituto Sociedade, População e Natureza (ISPN) é justamente incentivar ações como a do Cavi. Um fundo de pequenos projetos e de apoio às comunidades de base, tradicionais, para gerar conservação e melhoria da qualidade de vida há 23 anos. Um dos produtos do instituto é o portal Cerratinga, um projeto com o objetivo de oferecer informação sobre o Cerrado e a Caatinga. De um jeito bonito e acessível, voltado para o público urbano. Quem não sabe o que é Mangaba, por exemplo, visita o site e descobre. "É uma árvore. Fica sabendo como é, quando dá fruto, onde nasce, vê foto, descobre quem tem contato. Ou seja, é uma cadeia no sentido de que quanto mais as pessoas conhecem, mais elas se apropriam e mais protegem e conservam", explica Isabel.

Até hoje, foram mais 500 comunidades apoiadas em projetos de comportamentos mais cuidadosos com o meio ambiente, com o objetivo de disseminar boas práticas, aprimorar formas de manejo e fomentar pesquisas que embasem atitudes sustentáveis que as comunidades já fazem.

De acordo com o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) no bioma Cerrado existem 58 unidades de conservação.

Slow Food

Segundo especialistas em meio ambiente, o avanço da fronteira agrícola se dá de forma rápida e desordenada no Cerrado. O trabalho do movimento Slow Food é para preservar. Conservação voltada para os alimentos que estão ameaçados, e permitir que eles continuem na mesa do brasileiro. No Cerrado, o pequi e a castanha-de-baru estão na lista da Arca do Gosto, projeto idealizado pelo movimento Slow Food e feito em parceria com a Universidade Federal de Santa Catarina e com a Secretaria Especial de Agricultura Familiar e Desenvolvimento Agrário (Sead).

A intenção é catalogar as iguarias que correm risco de sumir de vez. O projeto é o primeiro passo da iniciativa Alimentos Bons, Limpos e Justos, que visa incentivar o olhar sustentável e voltado para a saúde quando o assunto é o que colocamos em nosso prato.

Iguarias

Pequi

Nas brincadeiras, dizem que ou você ama ou odeia. Sabor marcante e peculiar. Pode ser consumido cozido, puro ou misturado com arroz e frango. Da polpa também é possível extrair o azeite de pequi, óleo bastante utilizado para condimento e na fabricação de licores. A castanha que fica dentro do caroço do fruto pode ser consumida in natura ou utilizada como ingrediente na preparação de pratos salgados, doces e pães.

Castanha de Baru

Também conhecida como cumari, feijão-baru, cumbaru, imburana-brava, barujo. Gosto semelhante ao do amendoim. Atualmente, tem sido muito indicada por profissionais da área de saúde por ser uma importante fonte de proteína, rica em vitaminas, minerais e outros nutrientes. Tem fama de afrodisíaca. Pode ser consumida como a tradicional castanha, em óleos e no preparo de pratos diversos, mas não é indicada para consumo ainda crua. Pode ser também ingrediente de molhos, saladas, bolos e paçocas.

Conheça

Bioma Cerrado

6 mil espécies de plantas nativas

200 espécies de mamíferos

800 espécies de ave

180 espécies de répteis

150 espécies de anfíbios

1.200 espécies de peixes

Leia mais sobre a série a respeito da agricultura familiar nos biomas brasileiros neste link.

Assessoria de Comunicação MDA

Data: 08-05-2017
Fonte: MDA
  Enviar está notícia por e-mail  Imprimir esta notícia 

Notícias relacionadas
»Brandt investe no potencial de crescimento da agricultura brasileira e dobra de tamanho em dois anos
»Mais de duas mil pessoas prestigiam Ação Cooperada em Erechim
»Pesquisa desenvolve biscoito de cereais integrais com recheio de polpa de frutas brasileiras
»AgroBrasília 2017: Sucessão Familiar é tema da Feira
»Nutron auxilia produtores de suínos a diminuir o impacto das micotoxinas

Notícias anteriores
07-14/Ago  15-22/Ago  23-30/Ago  31/Ago-07/Set    

Noticias recentes

Copyright © 2000 - 2019 Agronline.com.br