Agronline
Página inicial dos artigos
Notícia
 
Agricultura
 
Agronegócios
 
Geral
Pecuária
 
Política
 
Tecnologia
 
Inicio > Agricultura
Resistência na ferrugem da soja ganha força
A resistência a fungicidas sítio-específicos para o fungo Phakopsora pachyrhizi, causador da ferrugem-asiática, continua a aumentar. No início de março, o FRAC (Fungicide Resistance Action Committee) relatou a presença da primeira mutação que confere resistência ao grupo das carboxamidas no fungo P. pachyrhizi. Resistência a fungicidas sítio-específicos é um processo natural de seleção. A presença dessa mutação refletiu na redução de eficiência de alguns fungicidas em avaliações nos ensaios do Consórcio Antiferrugem.

Os chamados fungicidas sítio-específicos para o controle da ferrugem possuem três modos de ação principais: os triazóis (inibidores da desmetilação - IDM); as estrobilurinas (inibidores de quinona externa - IQe) e, porfim, as carboxamidas (inibidores da succinato desidrogenase - ISDH). A menor sensibilidade de P. pachyrhizi a fungicidas IDM e IQe já foi confirmada para o fungo no Brasil.

A notícia publicada pelo FRAC ressalta a necessidade urgente de adoção de estratégias que visam reduzir a pressão de seleção de resistência, uma vez que esses isolados, ainda estão restritos a algumas áreas. Essas estratégias envolvem a utilização de misturas com diferentes modos de ação, a rotação de mecanismos de ação e a associação a fungicidas multissítios, numa tentativa de atrasar a seleção de isolados resistentes e também garantir a eficiência de controle, caso haja uma falha do produto sítio-específico.

A maior dificuldade hoje enfrentada no controle da ferrugem é a imprevisibilidade da população do fungo que estará presente na próxima safra. Como essa é uma doença com alto potencial de dano, o produtor deve trabalhar da forma mais segura possível para garantir um controle eficiente da doença e evitar redução de produtividade.

Os danos diretos com a ferrugem foram reduzidos ao longo dos anos com o melhor conhecimento de controle da doença. Hoje o custo atribuído à doença vem do custo de controle com fungicidas, sendo estimado em US$ 2 bilhões.

Fungicidas representam uma das estratégias de controle. Para que o manejo seja eficaz, é preciso que o produtor adote todas as práticas que incluem a utilização de cultivares de ciclo precoce; semeaduras no início da época recomendada; a eliminação de plantas de soja voluntárias e a ausência de cultivo de soja na entressafra – também conhecido como “vazio sanitário” e a utilização de cultivares com genes de resistência quando disponíveis. Outro ponto importante que precisa ser levado em consideração é o monitoramento da lavoura desde o início do desenvolvimento da cultura para que haja o emprego de fungicidas preventivamente ou logo no aparecimento dos sintomas.

Por Claudia Godoy, pesquisadora da Embrapa Soja e coordenadora do Consórcio Antiferrugem e integrante do Eagle Team

Data: 08-05-2017
  Enviar está notícia por e-mail  Imprimir esta notícia 

Notícias relacionadas
»Resistência na ferrugem da soja ganha força
»Produtores do RS já colheram 8,5 milhões de toneladas de arroz
»SC quer erradicar cancro europeu dos pomares de maçã
»Curso Internacional de Sementes: Fisiologia e Qualidade
»Embrapa capacita futuros técnicos agrícolas de Rondônia

Notícias anteriores
15-22/Ago  23-30/Ago  31/Ago-07/Set  08-15/Set    

Noticias recentes

Copyright © 2000 - 2017 Agronline.com.br