Agronline
Página inicial dos artigos
Início
 
Agricultura
 
Agroinformática
 
Desenv. Rural
Economia Rural
 
Pecuária
 
A biodiversidade como estratégia para o desenvolvimento

29/09/2005

:. Do mesmo autor
Cuidados especiais com as doadoras e receptoras garantem melhores resultados na FIV

O Brasil é considerado o país com a maior megadiversidade do Planeta e não é por acaso que ostentamos este título, temos entre 15 e 20% do número total de espécies do planeta. Temos também a flora mais diversa do mundo, com mais de 55 mil espécies descritas, ou cerca de 22% do total mundial, além do maior número de vertebrados, de primatas e de anfíbios, muitos destes em perigo de extinção.

Embora boa parte desta biodiversidade esteja associada às florestas tropicais, como a Mata Atlântica e a Floresta Amazônica, o modelo que vem sendo usado para ocupação e exploração econômica destes biomas tem levado à fragmentação florestal e, em casos extremos, a sua completa supressão. Segundo dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) sobre o desmatamento, apenas 8% da área do bioma Floresta Atlântica preserva suas características bióticas originais, e na Floresta Amazônica observa-se uma tendência de crescimento das áreas desflorestadas. Estima-se que, de agosto de 2003 a agosto de 2004, a Floresta Amazônica tenha perdido 26.130 quilômetros quadrados, uma área equivalente ao estado de Alagoas.

De fato, o processo de desenvolvimento da Amazônia tem se dado às custas do uso indiscriminado de seus recursos naturais sem promover um desenvolvimento equânime das populações locais.

O desenvolvimento de sistemas sustentáveis de manejo para produtos florestais não-madeireiros vem sendo apontado por pesquisadores e organizações não governamentais como uma das alternativas capazes de contribuir para a conservação da biodiversidade aliada ao desenvolvimento sócio-econômico das comunidades amazônicas. A valorização da floresta pelo setor extrativista também é uma das diretrizes do Governo Federal para o controle do desmatamento e das queimadas.

Entre as espécies consideradas prioritárias como “produtos florestais não-madeireiros” para a Amazônia temos a andiroba (Carapa guianensis), a copaíba (Copaifera spp.), o cumaru (Dipterix odorata) e o ipê (Tabebuia spp.). Esta listagem pode ser ampliada. Temos frutos amidosos ou oleosos, como castanha-do-Brasil (Bertholletia excelsa), buriti (Mauritia flexuosa), bacaba (Oenocarpus bacaba), patauá (Oenocarpus bataua) e murumuru (Astrocaryum murumuru). Para a produção de óleos e resinas, temos como exemplos, o jatobá (Hymenaea courbaril), maçaranduba (Manilkara huberi) e sorva (Couma utilis). Para a produção de óleos industriais, temos: babaçu (Orbignya phalerata) e ucuúba (Virola surinamensis). Para produção de óleos essenciais, cito a preciosa (Aniba canelilla) e sacaca (Croton cajucara). Como espécies usadas no artesanato, temos o tucumã (Astrocaryum acaule), tucumãí (Astrocaryum aculeata), cipó-titica (Heteropsis spp.), arumã (Ischnosiphon spp.), açaí (Euterpe oleracea), açaí solteiro (Euterpe precatoria), inajá (Maximiliana maripa), jarina (Phytelephas aequatorialis) e buriti (Mauritia flexuosa). Poderíamos ainda incluir as sementes para reflorestamento, com uma infinidade de espécies entre as quais destacam-se itaúba (Mezilaurus itauba), louros (Aniba spp., Licaria spp., Ocotea spp.), cedro (Cedrela odorata), cupiúba (Goupia glabra), freijó (Cordia sp.), parapará (Jacaranda copaia), pau-rainha (Centrolobium paraensis) e tatajuba (Bagassa guianensis).

Esta listagem não se detém apenas às espécies encontradas em Roraima, nem esgota a diversidade de produtos florestais não-madeireiros potenciais para a Amazônia. É apenas uma mostra da riqueza que temos em nossas florestas, desafiando a todos, governo e sociedade, a associar a manutenção da base de florestas naturais brasileiras com o desenvolvimento sócio-econômico de suas populações, posto que não podemos mais negar a relevância estratégica das florestas, seja para a manutenção dos ciclos hidrológicos, para a fixação do carbono, ou ainda, como fonte potencial de biofármacos e de outros novos produtos.

* Pesquisadora da Embrapa Roraima, em Manejo e Conservação

Patrick Villa Nova PereiraEnvie um email!
Médico Veterinário - Vitrogen

  Enviar este artigo por e-mail  Imprimir este artigo  Como citar esse artigo 
:. COMENTÁRIOS
    Clique aqui!  E deixe seu comentário sobre o artigo!

  • biodiversidade
    nossa isso é impressionante imagina só quantos aimais e plantas que existem no brasil.
    iolanda - 18/03/11 08:44

  • SEMENTES
    Excelente artigo, sabe onde posso conseguir sementes de Itaúba.
    JOI LUIZ DE JESUS - 31/10/10 18:36

  • :. ARTIGOS RELACIONADOS

    Artigos por assunto

    Administração Agribusiness Agricultura de Precisão Agricultura Familiar Agricultura Urbana Agroecologia e orgânicos Agroindústria Agronegócio Agropecuária Familiar Agropesquisa Alimentação Apicultura Avicultura Boi verde e Pecuária orgânica Bovinocultura Caprinocultura Ciência florestal Climatologia Comércio internacional Comunicação Contaminação de águas Cooperativismo Crédito agrícola Crédito Rural Crise Energética Desenvolvimento Rural Desenvolvimento Sustentável Ecologia Educação Exportação Extensão Fauna Silvestre Fertilidade do Solo Fertilidade e conservação do solo Fitopatologia Fitotecnia Forrageiras Fruticultura Genética Horticultura Internet na agricultura Irrigação e Drenagem Marketing Meio ambiente Nutrição animal Ovinocultura Paisagismo Pecuária Leiteira Piscicultura Plantas Daninhas Plantas Medicinais Plantio direto Pragas e doenças Rastreabilidade Animal Sanidade animal Segurança Alimentar Seguro agrícola Sementes Suinocultura Tecnologia Transgênicos Zoonoses
    Copyright © 2000 - 2017 Agronline.com.br