Agronline
Página inicial dos artigos
Início
 
Agricultura
 
Agroinformática
 
Desenv. Rural
Economia Rural
 
Pecuária
 
A soja e o Protocolo de Quioto

21/07/2005

Não é segredo que a maioria dos países que participam da Organização das Nações Unidas, assinaram um acordo para redução das emissões gasosas e promoção de alternativas econômicas que levem em consideração os direitos ambientais e sociais dos indivíduos.

Também não passou despercebido pela grande maioria das nações, que o referido acordo estabelece um mecanismo para troca de créditos entre esses países, os Créditos de Emissões Reduzidas - CRE, para projetos que seqüestrem, em países em desenvolvimento, o CO2 emitido por países desenvolvidos.

O que tem passado despercebido pela classe ruralista e mesmo pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento – MAPA, é o fator soja como garantia da instalação do Desenvolvimento Sustentado na Amazônia Brasileira.

Projetos de Desenvolvimento Sustentado tem de estar alicerçados no tripé sócio-econômico-ambiental, para que possam ser aceitos como alternativa, dentro dos preceitos do próprio protocolo.

A Amazônia Brasileira é sabidamente emissora de CO2, inclusive em áreas de transição para o Cerrado, notadamente na região aonde se usou denominar “Arco do Desmatamento”. Isso tudo segundo pesquisas do LBA – Large Biosphere Assessment.

Além disso, os resultados econômicos da atividade de manejo florestal sustentado, geram cerca de R$0,65 (sessenta e cinco centavos de real) por hectare, por mês, para as famílias, empresas ou comunidades florestais.

Enquanto no primeiro caso o ambiente está sendo prejudicado, no segundo a variante econômica está sensivelmente afetada. Resta o aspecto social.

Sem condições econômicas de subsistência e respirando um ar rico em CO2, é difícil imaginar que a vida das pessoas possa estar sendo melhorada de alguma forma com o procedimento. Na realidade, o que se percebe é que os projetos florestais sustentados são uma armadilha. Assim que aparece uma outra oportunidade, as pessoas, famílias, empresas ou comunidades partem na sua direção, deixando para trás a utopia de uma sociedade de novos silvícolas.

Tornando ainda mais caótica uma situação bastante delicada, o surgimento e ressurgimento de doenças relacionadas a ambientes silvestres e a fúria das recentes epidemias oriundas de ambientes tropicais, faz com que o aspecto social dos projetos de uso de florestas nativas esteja fortemente comprometido.

Enquanto isso, a soja e a pecuária, para mencionar somente dois dos maiores “vilões”, que o ambientalismo usa para combater o avanço do Desenvolvimento Sustentado no Brasil, sofrem ataques injustificados.

Páginas: anterior 1 2 próxima Topo da página


Eder ZanettiEnvie um email!
Eng. Florestal - UnB

  Enviar este artigo por e-mail  Imprimir este artigo  Como citar esse artigo 
:. COMENTÁRIOS
    Clique aqui!  E deixe seu comentário sobre o artigo!

  • a soja e protocolo de Quioto
    Achei muito interessante o raciocínio e a colocação da agropecuária como mocinhos ao invés de bandidos como normalmente são vistos. Gostaria de saber mais sobre o assunto.
    claudemir carlos ribeiro - 30/07/12 00:52

  • :. ARTIGOS RELACIONADOS

    Artigos por assunto

    Administração Agribusiness Agricultura de Precisão Agricultura Familiar Agricultura Urbana Agroecologia e orgânicos Agroindústria Agronegócio Agropecuária Familiar Agropesquisa Alimentação Apicultura Avicultura Boi verde e Pecuária orgânica Bovinocultura Caprinocultura Ciência florestal Climatologia Comércio internacional Comunicação Contaminação de águas Cooperativismo Crédito agrícola Crédito Rural Crise Energética Desenvolvimento Rural Desenvolvimento Sustentável Ecologia Educação Exportação Extensão Fauna Silvestre Fertilidade do Solo Fertilidade e conservação do solo Fitopatologia Fitotecnia Forrageiras Fruticultura Genética Horticultura Internet na agricultura Irrigação e Drenagem Marketing Meio ambiente Nutrição animal Ovinocultura Paisagismo Pecuária Leiteira Piscicultura Plantas Daninhas Plantas Medicinais Plantio direto Pragas e doenças Rastreabilidade Animal Sanidade animal Segurança Alimentar Seguro agrícola Sementes Suinocultura Tecnologia Transgênicos Zoonoses
    Copyright © 2000 - 2017 Agronline.com.br