Agronline
Página inicial dos artigos
Início
 
Agricultura
 
Agroinformática
 
Desenv. Rural
Economia Rural
 
Pecuária
 
O Pantanal e a acontaminação por Mercúrio

Página 2/2

:. Do mesmo autor
Pantanal: Um bioma ameaçado

A Problemática Socioeconômica e Ambiental da Bacia do Rio Taquari e Perspectivas

O Agronegócio no Pantanal e a Necessidade de Diversificação Agropecuária

Tendências do Agronegócio no Pantanal e a Globalização da Economia

Pantanal: Risco de Contaminação por Biocidas

Potencial do Agronegócio no Pantanal e a Demanda por Tecnologias

E o Jacaré do Pantanal pode também se contaminar por Mercúrio?

Níveis de Mercúrio na Carne de Peixes como Indicadores de Contaminação do Pantanal.

A EMBRAPA e a conservação do Pantanal

Penas de aves como indicadores de mercúrio no pantanal

No processo de lavra do ouro, o mercúrio era utilizado, inicialmente, na etapa de lavagem do cascalho, e posteriormente na bateia. Além disso, na etapa de purificação, a amálgama (liga constituída de ouro + mercúrio), era queimada à céu aberto, e os gases exalados, contendo mercúrio, passavam diretamente para a atmosfera. Muito embora tenha ocorrido avanço tecnológico significativo na etapa de purificação do ouro extraído, face à adoção de retortas com circuito fechado para evitar a contaminação direta da atmosfera, o mesmo mercúrio continua sendo utilizado no processo de extração. Além disso, os tanques de decantação,, contendo os rejeitos contendo mercúrio, provenientes dos garimpos atuais e antigos, por ocasião de fortes chuvas podem se romper, permitindo que o mercúrio atinja o Pantanal.

Em função dos impactos ambientais criados pelo emprego do mercúrio, pergunta-se: Será que não existem outros métodos para se extrair ouro sem a utilização de mercúrio? É claro que existem. E muitos. Por isso, os fatos sugerem que há necessidade de maior empenho das autoridades e das associações empresariais ligadas ao setor, visando o desenvolvimento de estudos de viabilidade técnica e de custo/benefício, para eleição de outros métodos de extração de ouro menos lesivos à saúde do homem e que promovam menos impactos negativos ao ambiente.

Estudos realizados pela Embrapa Pantanal no início da década de 90, demonstraram níveis de mercúrio em sedimentos, moluscos e peixes provenientes da planície do rio Bento Gomes, em Poconé. As pesquisas também evidenciaram contaminação por mercúrio nas penas e no fígado do gavião caramujeiro, carão, garça branca grande e biguá. Além disso, constataram-se níveis de contaminação por mercúrio na carne e no fígado de peixes, principalmente nas espécies carnívoras (nível final da cadeia alimentar) capturadas nos rios Paraguai e Cuiabá. Estudos mais recentes, realizados por outras instituições de pesquisa pela mesma Embrapa Pantanal, como o publicado em 2003, que detectou pela primeira vez a contaminação da carne do jacaré do Pantanal por mercúrio, comprovam essa realidade.

Sabe-se que o Pantanal é uma grande planície em formação, susceptível à inundação, formada pela deposição de sedimentos oriundos dos planaltos adjacentes. É aí que o problema de contaminação da região pantaneira se complica porque, em conseqüência disso, todas as substâncias passíveis de serem arrastadas pelas águas (dentre elas, o mercúrio, terminam contaminando os corpos d’água ou se depositando no sedimento de fundo dos rios, vazantes e corichos. Pelo fato dos organismos bentônicos se alimentarem do sedimento de fundo, eles se tornam vulneráveis ao mercúrio, podendo se contaminar e repassar a sua “carga de mercúrio” aos peixes detritívoros, estes aos onívoros e finalmente aos grandes peixes carnívoros, tais como o pintado, cachara, jaú, jeripoca, jurupensem, dourado, piranhas e traíra, que na região são muito apreciados pelo homem. É, principalmente, através da ingestão de peixe que o homem pode se contaminar com mercúrio. A probabilidade maior de contaminação está relacionada à freqüência de consumo e à quantidade de peixe, consumido por dia, e também ao nível de mercúrio existente na carne desse animal.

Nesse sentido, a Organização Mundial da Saúde estabeleceu que a carne de peixe para consumo humano não deve possuir concentração de mercúrio acima de 500 nanogramas por grama de carne de peixe fresco. Em função disso, a legislação brasileira também adotou esse mesmo nível de mercúrio na carne de pescado para consumo humano. No Pantanal, muitos dos peixes mais apreciados evidenciaram níveis de mercúrio na carne acima dessa concentração permitida pela legislação atual. Assim, além da necessidade de se continuar monitorando os níveis de mercúrio nos diferentes indicadores de contaminação ambiental, torna-se necessário a adoção efetiva da legislação em vigor quanto à utilização atual de mercúrio na extração de ouro, bem como gerar tecnologias capazes de mitigar os impactos ambientais negativos decorrentes dessa atividade.

Páginas: anterior 1 2 próxima Topo da página


Luiz Marques VieiraEnvie um email!
Pesquisador - EMBRAPA/CPAP

  Enviar este artigo por e-mail  Imprimir este artigo  Como citar esse artigo 
:. COMENTÁRIOS
    Clique aqui!  E deixe seu comentário sobre o artigo!

  • vc está de parabéns.
    Seu artigo está ótimo,vc está de parabéns. Vc me ajudou muito valeu!!
    willians ranulf azevedo da costa - 21/05/05 21:44

  • :. ARTIGOS RELACIONADOS

    Artigos por assunto

    Administração Agribusiness Agricultura de Precisão Agricultura Familiar Agricultura Urbana Agroecologia e orgânicos Agroindústria Agronegócio Agropecuária Familiar Agropesquisa Alimentação Apicultura Avicultura Boi verde e Pecuária orgânica Bovinocultura Caprinocultura Ciência florestal Climatologia Comércio internacional Comunicação Contaminação de águas Cooperativismo Crédito agrícola Crédito Rural Crise Energética Desenvolvimento Rural Desenvolvimento Sustentável Ecologia Educação Exportação Extensão Fauna Silvestre Fertilidade do Solo Fertilidade e conservação do solo Fitopatologia Fitotecnia Forrageiras Fruticultura Genética Horticultura Internet na agricultura Irrigação e Drenagem Marketing Meio ambiente Nutrição animal Ovinocultura Paisagismo Pecuária Leiteira Piscicultura Plantas Daninhas Plantas Medicinais Plantio direto Pragas e doenças Rastreabilidade Animal Sanidade animal Segurança Alimentar Seguro agrícola Sementes Suinocultura Tecnologia Transgênicos Zoonoses
    Copyright © 2000 - 2019 Agronline.com.br