Agronline
Página inicial dos artigos
Início
 
Agricultura
 
Agroinformática
 
Desenv. Rural
Economia Rural
 
Pecuária
 
Código Florestal Brasileiro: área de preservação permanente e reserva legal

16/11/2009

:. Do mesmo autor
Acidez, alcalinidade e efeitos da calagem no solo

A Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA) – composta por 208 deputados federais e 35 senadores – encaminhou ao Congresso Nacional, em setembro de 2009, a proposta de criação do Código Ambiental Brasileiro, em substituição ao atual Código Florestal, aprovado pela Lei 4.771 de 1965, que já teve vários itens alterados e sofreu mudanças em cinco momentos nos últimos trinta anos: em 1978, 1986, 1989, 2001 e 2006. O presidente da Câmara, o deputado Michel Temer, assinou o ato de criação de uma comissão especial para unificar em um único projeto de lei todas as propostas de legislação florestal ou ambiental em tramitação na Casa, até o dia 11 de dezembro de 2009. Em vista dessas possíveis modificações ao Código, é importante para o leitor saber o estágio atual da Lei e a descrição de dois temas relevantes, muito demandados pelas pessoas ligadas ao meio rural, que são a área de preservação permanente e reserva legal.

Define-se Área de Preservação Permanente como local protegido, coberto ou não por vegetação nativa, com a função ambiental de preservar os recursos hídricos; a paisagem; a estabilidade geológica; a biodiversidade; o fluxo gênico de fauna e flora; proteger o solo; e assegurar o bem-estar das populações humanas. Consideram-se de preservação permanente as florestas e demais formas de vegetação natural situadas: (a) ao longo dos rios ou de qualquer curso d'água, desde o seu nível mais alto em faixa marginal cuja largura mínima será de 30 m para os cursos d'água de menos de 10 m de largura; de 50 m para os cursos d'água que tenham de 10 m a 50 m de largura; de 100 m para os cursos d'água que tenham de 50 m a 200 m de largura; de 200 m para os cursos d'água que tenham de 200 m a 600 m de largura; de 500 m para os cursos d'água que tenham largura superior a 600 m; (b) ao redor das lagoas, lagos ou reservatórios d'água naturais ou artificiais; (c) nas nascentes, ainda que intermitentes e nos chamados "olhos d'água", qualquer que seja a sua situação topográfica, num raio mínimo de 50 m de largura; (d) no topo de morros, montes, montanhas e serras; (e) nas encostas ou partes destas, com declividade superior a 45°, equivalente a 100 % na linha de maior declive; (f) nas restingas, como fixadoras de dunas ou estabilizadoras de mangues; (g) nas bordas dos tabuleiros ou chapadas, a partir da linha de ruptura do relevo, em faixa nunca inferior a 100 m em projeções horizontais; (h) em altitude superior a 1.800 m, qualquer que seja a vegetação.

Consideram-se ainda de preservação permanente, quando assim declaradas por ato do Poder Público, as florestas e demais formas de vegetação natural destinadas a: (a) atenuar a erosão das terras; (b) fixar as dunas; (c) formar faixas de proteção ao longo de rodovias e ferrovias; (d) auxiliar a defesa do território nacional a critério das autoridades militares; (e) proteger sítios de excepcional beleza ou de valor científico ou histórico; (f) asilar exemplares da fauna ou flora ameaçados de extinção; (g) manter o ambiente necessário à vida das populações silvícolas; (h) assegurar condições de bem-estar público. A supressão total ou parcial de florestas de preservação permanente só será admitida com prévia autorização do Poder Executivo Federal, quando for necessária à execução de obras, planos, atividades ou projetos de utilidade pública ou interesse social.

Páginas: anterior 1 2 3 próxima Topo da página


Sebastião Pires de Moraes Neto Envie um email!
Pesquisador - EMBRAPA/CPAC

  Enviar este artigo por e-mail  Imprimir este artigo  Como citar esse artigo 
:. COMENTÁRIOS
    Clique aqui!  E deixe seu comentário sobre o artigo!

  • Novo Código Florestal
    O projeto de lei do Código Florestal, que tem gerado polêmicas entre ambientalistas e ruralistas. Sim, o meio ambiente é extremamente importante é “bem de uso comum do povo e essencial a sadia qualidade de vida”, porém não deve ser esquecido o fato que o código florestal poderá colocar em risco uma série de atividades dentro do Agronegócio. Para preservar o meio ambiente, deve se conciliar a preservação e a produção de alimentos, pois dessa produção depende o bem estar e o progresso dos brasileiros. O conceito de reserva legal continua existindo nos mesmos moldes, a proposta tanto RL como de APPs são fixadas por critérios abstratos. Somente a aplicação apenas das normas da reserva legal retiraria da produção praticamente um quinto das áreas exploradas com agricultura e pecuária, com redução brutal da produção e conseqüentemente da renda dos produtores. É discutível o conceito de “topo de morro” para estabelecerem a proibição do cultivo, extinguindo lavouras e conseqüentemente agricultura familiar em diversas regiões, aumentando ainda mais o êxodo rural, gerando mais efeitos negativos sobre o meio ambiente. O Estado não tem estrutura para fiscalizar e punir todos igualmente, escolhendo ao seu arbítrio a quem punir e a quem não punir, abrindo mais portas para a corrupção. Por outro lado através das discussões sobre o novo código traz a oportunidade para o agronegócio de desmistificar a atividade como grande vilã do meio ambiente, criminalizando a mesma. Deve-se atentar para a oportunidade de exigir pagamento por serviços ambientais NÃO com valores meramente simbólicos, como tem feito o Estado de SP em projetos pilotos, “descredibilizando” desta forma o sistema de pagamentos por serviços Ambientais, mas a fim de realmente remunerar o produtor e torná-lo guardião dos recursos naturais . Além de todos aprendermos a explorar ou expandir os negócios ambientais e fazer dos mesmos, mais uma fonte de renda dentro do agronegócio. O grande desafio acredito ser chegar à um senso comum entre os ruralistas, ambientalistas e “eco-loucos” sobre o novo código florestal, e fazer-se cumprir então o novo código.
    JULIANA VIEIRA SALLES VARALLO LEITE - 29/12/11 08:25

  • Código Florestal
    Olá meu caro Alexandre, mais um assunto interessante para o nosso estudo.
    Alexandre - 01/04/11 21:14

  • monografia
    achei muito interessante este site, e como estou interessada e bastante atrasada com a minha monografia e quero abordar justamente estes temas de sustentabilidade ou melhor o que acintecesse e o que deveria acontecer com o meio ambiente, se tiverem um tema ou um estudo atual para q eu possa desenvolver a minha tese a atuação do ministerio publico e as areas q ja foram exploradas por outros, etc uma monografia pronta , enfim um tema atual e polemico licencamento, etc.
    maria luisa elias - 06/08/10 08:44

  • :. ARTIGOS RELACIONADOS

    Artigos por assunto

    Administração Agribusiness Agricultura de Precisão Agricultura Familiar Agricultura Urbana Agroecologia e orgânicos Agroindústria Agronegócio Agropecuária Familiar Agropesquisa Alimentação Apicultura Avicultura Boi verde e Pecuária orgânica Bovinocultura Caprinocultura Ciência florestal Climatologia Comércio internacional Comunicação Contaminação de águas Cooperativismo Crédito agrícola Crédito Rural Crise Energética Desenvolvimento Rural Desenvolvimento Sustentável Ecologia Educação Exportação Extensão Fauna Silvestre Fertilidade do Solo Fertilidade e conservação do solo Fitopatologia Fitotecnia Forrageiras Fruticultura Genética Horticultura Internet na agricultura Irrigação e Drenagem Marketing Meio ambiente Nutrição animal Ovinocultura Paisagismo Pecuária Leiteira Piscicultura Plantas Daninhas Plantas Medicinais Plantio direto Pragas e doenças Rastreabilidade Animal Sanidade animal Segurança Alimentar Seguro agrícola Sementes Suinocultura Tecnologia Transgênicos Zoonoses
    Copyright © 2000 - 2017 Agronline.com.br