Agronline
Página inicial dos artigos
Início
 
Agricultura
 
Agroinformática
 
Desenv. Rural
Economia Rural
 
Pecuária
 
Créditos de carbono para florestas de seringueira

26/09/2007

Uma nova alternativa potencial para aumento de renda do produtor de látex e borracha é a venda dos Certificados de Emissões Reduzidas (CERs). Como signatário do Protocolo de Quioto, o Brasil tem avançado no sentido de viabilizar projetos com Mecanismos de Desenvolvimento Limpo (MDL) pela construção de aterros sanitários, substituição de combustíveis fósseis e plantio de florestas. No entanto, no caso da seringueira, ainda não há no País nenhum projeto MDL que esteja pagando ao produtor o benefício ambiental de fixação de carbono em biomassa, no látex e na borracha produzida.

As plantas produtoras de extrativos, a exemplo da seringueira, constituem importante dreno de CO2 a ser considerado nos projetos MDL, pela quantidade de carbono fixada durante sua fase produtiva. A exclusão dos extrativos nos projetos MDL, além de não considerar a fixação total de carbono pela árvore, dificulta a competição com projetos que se baseiam em espécies de rápido crescimento, voltados para a produção de madeira.

Mesmo havendo intensa comunicação em massa sobre problemas ambientais, não houve até o momento a decisão de implementar o mercado de CERs para a seringueira. Uma iniciativa exemplar neste sentido seria a criação desses certificados pelo estado e a sua comercialização entre cidadãos, empresas e instituições com déficit ambiental quanto à emissão de gases de efeito estufa (GEEs), considerando como meta a redução de 5% da quantidade emitida em 1995, conforme proposto no Protocolo de Quioto. Como as metas devem ser atingidas de 2008 a 2012, neste período deve-se quantificar a biomassa, assim como a produção de borracha e látex, e convertê-la em toneladas (t) de CO2, além de ser possível implantar mais florestas de seringueira e avaliá-las quanto à biomassa. Quando se fala em fixação de carbono deve-se considerar que a moeda de troca é o “CO2 equivalente”, portanto, os CERs são valorados em função da quantidade deste produto.

Uma tonelada de carbono corresponde a 3,67 t de CO2 equivalente. Uma molécula de borracha tem 5 átomos de carbono, portanto, uma tonelada de borracha natural seca possui 880 kg de carbono. A produção de 16 toneladas de borracha seca no Acre, em 2006, propiciou a fixação de 14 toneladas de carbono só em borracha. Outro aspecto interessante é que ao se utilizar uma tonelada de borracha natural, em substituição à borracha sintética produzida a partir do petróleo, deixa-se de emitir 4,8 toneladas de carbono para a atmosfera.

Páginas: anterior 1 2 próxima Topo da página


Rivadalve Coelho GonçalvesEnvie um email!
Pesquisador - EMBRAPA/CPAFAC

  Enviar este artigo por e-mail  Imprimir este artigo  Como citar esse artigo 
:. COMENTÁRIOS
    Clique aqui!  E deixe seu comentário sobre o artigo!

:. ARTIGOS RELACIONADOS

Artigos por assunto

Administração Agribusiness Agricultura de Precisão Agricultura Familiar Agricultura Urbana Agroecologia e orgânicos Agroindústria Agronegócio Agropecuária Familiar Agropesquisa Alimentação Apicultura Avicultura Boi verde e Pecuária orgânica Bovinocultura Caprinocultura Ciência florestal Climatologia Comércio internacional Comunicação Contaminação de águas Cooperativismo Crédito agrícola Crédito Rural Crise Energética Desenvolvimento Rural Desenvolvimento Sustentável Ecologia Educação Exportação Extensão Fauna Silvestre Fertilidade do Solo Fertilidade e conservação do solo Fitopatologia Fitotecnia Forrageiras Fruticultura Genética Horticultura Internet na agricultura Irrigação e Drenagem Marketing Meio ambiente Nutrição animal Ovinocultura Paisagismo Pecuária Leiteira Piscicultura Plantas Daninhas Plantas Medicinais Plantio direto Pragas e doenças Rastreabilidade Animal Sanidade animal Segurança Alimentar Seguro agrícola Sementes Suinocultura Tecnologia Transgênicos Zoonoses
Copyright © 2000 - 2017 Agronline.com.br