Agronline
Página inicial dos artigos
Início
 
Agricultura
 
Agroinformática
 
Desenv. Rural
Economia Rural
 
Pecuária
 
Cuidados especiais com as doadoras e receptoras garantem melhores resultados na FIV

26/06/2003

:. Do mesmo autor
A biodiversidade como estratégia para o desenvolvimento

Entre todas as técnicas de reprodução bovina assistida, a Fecundação in vitro é, sem dúvida, a biotecnologia que apresenta os melhores resultados. A multiplicação do rebanho é muito mais rápida, sendo possível acelerar o aprimoramento genético do plantel. Além de não prejudicar as doadoras, através da OPU/FIV o potencial reprodutivo das fêmeas com alguns tipos de patologias adquiridas também pode ser recuperado.

Mesmo com tantas vantagens, o criador deve estar atento a cada etapa da técnica para tirar o máximo proveito, a custos reduzidos. Um cuidado que não está apenas relacionado à escolha da empresa que produz os embriões, mas também a outros detalhes, como manejos específicos com doadoras e receptoras.

O primeiro passo é determinar a forma de trabalho. Caso o criador opte por realizar a coleta dos oócitos em sua propriedade, é necessário escolher a melhor data na agenda das equipes de aspiração. A fazenda precisa dispor de infra-estrutura adequada, de uma equipe especializada que busque os embriões e os transfira no prazo máximo de oito horas. A receptora deve estar com o cio perfeitamente sincronizado com o tempo de vida do embrião, aumentando assim as taxas de prenhez.

Nessa opção, é o criador quem assume todos os custos com o deslocamento da equipe de coleta, diária dos veterinários, medicamentos e aquisição de receptoras. Precisará, ainda, contratar profissionais capacitados para garantir as melhores condições sanitárias e reprodutivas das doadoras, assim como acompanhar o cio e transferir os embriões nessas receptoras.

Outra alternativa é contar com o serviço das empresas que se dedicam especificamente a realizar duas importantes etapas da produção dos embriões e gestações. Nas centrais de doadoras os animais ficam alojados e recebem todo cuidado para atingir os melhores resultados na coleta dos oócitos. Já nas centrais de receptoras estão disponíveis profissionais, estrutura e serviços como sincronização, TE e sexagem fetal.

As centrais de receptoras

A empresa que produz os embriões não tem nenhum tipo de responsabilidade por baixas taxas de prenhez provocadas por problemas no transporte e transferência dos embriões, ou ainda pela má qualidade das receptoras e manejos incorretos. Considerando que cabe ao criador escolher como vão ser realizadas essas etapas, o ideal é que ele contrate o trabalho especializado das centrais, principalmente no caso de quem está iniciando a aplicação da OPU/FIV ou que não disponha da infra-estrutura apropriada para o processo.

Nas boas centrais de receptoras as condições são ideais, todos os dias há vacas sendo sincronizadas e pessoas capacitadas para acompanhar o cio, transferir o embrião, fazer o diagnóstico da gestação, entre outros serviços integrados. Com apenas uma ou duas prenhezes a mais por semana, os custos da terceirização desses serviços já são pagos.

Um ponto importante a ressaltar é que o criador, ou alguém de sua confiança, também pode acompanhar pessoalmente o trabalho realizado nas centrais de receptoras. Conferir a qualidade das novilhas, dos manejos e do trabalho de uma maneira geral, para evitar surpresas e garantir resultados.

As centrais de doadoras

Enquanto as centrais de receptoras garantem que a etapa final da FIV aconteça com alta eficácia, é nas centrais de doadoras que a primeira fase da produção in vitro dos embriões, a aspiração folicular, é realizada com maior sucesso. É por isso que a Vitrogen, líder mundial em OPU/FIV, mantém em seu grupo as Centrais Vitrogen, com diferenciais que elevam as taxas finais de obtenção de oócitos e embriões.

As centrais da Vitrogen estão distribuídas de forma estratégica em relação aos laboratórios e têm parceria com as multinacionais dos segmentos de nutrição e sanidade. O agendamento das aspirações fica a cargo dos veterinários da central, o animal tem acompanhamento especializado 24h e recebe os mais adequados manejos nutricional, sanitário e reprodutivo.

Em alguns casos a hospedagem da doadora na Central Vitrogen resulta em um custo menor se comparado ao deslocamento da equipe que realiza a OPU na fazenda do cliente. E, ao manter a matriz na central, o criador também terá o acompanhamento reprodutivo dessa fêmea, que pode até estar com a cria ao pé. Nesse caso, o bezerro é mantido em uma rotina específica, que potencializa seu desenvolvimento e o prepara para exposições.

Para a otimização da aspiração, a doadora precisa atingir uma condição corporal específica. Isso requer cuidados que são mais facilmente realizados na central, onde há toda infra-estrutura adequada para prevenir o estresse ou possíveis contaminações, e tratar determinadas patologias.

Enquanto na aspiração realizada na fazenda do cliente há um número mínimo de cinco doadoras para serem coletadas por cada deslocamento da equipe, na central o criador pode hospedar quantos animais quiser, por um período que ele determina. E além desses, ainda há outros fatores que devem ser considerados. Por isso, informar-se corretamente e avaliar cada caso, são as melhores formas de atingir o equilíbrio entre custo e benefícios.

Patrick Villa Nova PereiraEnvie um email!
Médico Veterinário - Vitrogen

  Enviar este artigo por e-mail  Imprimir este artigo  Como citar esse artigo 
:. COMENTÁRIOS
    Clique aqui!  E deixe seu comentário sobre o artigo!

  • comentrios
    estudo a pecuaria á cinco anos e amo esse campo,cada ves mais estou aprofundando no assunto,gostei muito e muito bem elaborado ass; NIVALDO
    NIVALDO FRANCISCO DOS SANTOS - 12/06/11 08:22

  • cuidados com FIV
    Artigo não especifica os custos da coleta e os resultados obtidos com os cuidados realizados, além de não especificar o equipamento necessário par realização dos procedimentos, sem estas informações vejo este artigo sem finalidade técnica e/ou informativa.
    HUGO - 18/01/08 13:19

  • hospedagem de doadora
    Tenho uma doadora gir e gostaria de fazer coleta e deixá-la na central. Gostaria de saber o custo da coleta e mensal, assim como a localização.
    Erivan - 15/11/06 02:15

  • Manejo
    Parabéns pelo trabalho. Acredito que uma proximidade maior entre centrais de doadoras e receptoras , bem como estabelecer um protocolo de atuação do manejo irá contribuir para a melhora dos índices e qualidade dos produtos. Atenciosamente, André
    André Luiz Reis - 16/09/03 07:29

  • :. ARTIGOS RELACIONADOS

    Artigos por assunto

    Administração Agribusiness Agricultura de Precisão Agricultura Familiar Agricultura Urbana Agroecologia e orgânicos Agroindústria Agronegócio Agropecuária Familiar Agropesquisa Alimentação Apicultura Avicultura Boi verde e Pecuária orgânica Bovinocultura Caprinocultura Ciência florestal Climatologia Comércio internacional Comunicação Contaminação de águas Cooperativismo Crédito agrícola Crédito Rural Crise Energética Desenvolvimento Rural Desenvolvimento Sustentável Ecologia Educação Exportação Extensão Fauna Silvestre Fertilidade do Solo Fertilidade e conservação do solo Fitopatologia Fitotecnia Forrageiras Fruticultura Genética Horticultura Internet na agricultura Irrigação e Drenagem Marketing Meio ambiente Nutrição animal Ovinocultura Paisagismo Pecuária Leiteira Piscicultura Plantas Daninhas Plantas Medicinais Plantio direto Pragas e doenças Rastreabilidade Animal Sanidade animal Segurança Alimentar Seguro agrícola Sementes Suinocultura Tecnologia Transgênicos Zoonoses
    Copyright © 2000 - 2017 Agronline.com.br