Agronline
Página inicial dos artigos
Início
 
Agricultura
 
Agroinformática
 
Desenv. Rural
Economia Rural
 
Pecuária
 
Deterioração dos termos de troca e a necessidade de agregar valor ao café

20/11/2004

:. Do mesmo autor
Oferta e demanda no mercado de café

Há muito tempo atrás, aproximadamente 200 anos, surgiu um celebre homem chamado David Ricardo dissertando sobre a relação de troca entre países, a chamada teoria das vantagens comparativas, que estava fundamentada no discurso de que os países deveriam se especializar naquilo que era melhor, mesmo se ele levasse vantagem absoluta em todos os produtos, com isso ele ganharia muito mais se especializando naquilo que ele era melhor. A teoria se baseou nas relações comerciais da época entre Portugal e Inglaterra, onde Portugal tinha vantagem absoluta na produção de vinho e tecido, mas a sua maior vantagem estaria no vinho, ou seja uma vantagem relativa nesse produto, logo deveria ocupar toda a sua força produtiva, dentre elas a mão-de-obra, na produção de vinho. Essa teoria foi levada em consideração por muitos países.

Alguns poucos anos atrás, outro celebre homem chamado Raul Pebrish, componente da Comissão Econômica para a América Latina e Região do Caribe (CEPAL), dissertou a respeito da dependência econômica provocada pela relação de troca entre países, que dava vantagens aos países desenvolvidos, centrais, sobre os subdesenvolvidos, periféricos, levando a dependência econômica. Na verdade o que se observou nesta época foi um abismo entre as nações mais ricas com relação as mais pobres, gerando uma crescente subordinação, em muitos casos um estado de extrema pobreza, este legado de atraso levou alguns países a desenvolverem um sentimento de ódio às nações centrais.

Nos dias atuais, os países periféricos grandes exportadores de produtos primários não conseguem adicionar valor agregado aos seus produtos, de forma a exportar produtos “in natura” aos países centrais, que adicionam valor e vendem o bem transformado para todo o mundo e muitas das vezes aos próprios países produtores.

Todo o esforço dos países periféricos é de tentar fazer com que esses produtos sofram um maior número de transformações no seu próprio território, antes de serem exportados.

Como tantos artigos que compõem a pauta do superávit primário da balança comercial do Brasil, o café possui a característica de ser um produto que na sua grande parte é exportado ainda “in natura”.

Atualmente o Brasil é um dos maiores produtor e exportador de café do mundo, tanto em grãos verdes, como industrializados, mas quando se trata da exportação do produto industrializado, torrado e moído, o Brasil enfrenta a concorrência severa da Alemanha e Itália, que concorrem com o país fornecedor do insumo. A Alemanha é um dos maiores importadores de café brasileiro in natura, mas gera valor ao produto no seu território para exportar ao mundo.

Muitos anos se passaram, mas o Brasil não consegue se desvencilhar do paradigma da desvantagem nas relações de troca, o café nacional não consegue realizar a transformação em nosso território, com isso o produto industrializado em outros países obtêm mais valor que o nosso. Tudo faz retornar a questão da dependência econômica na relação entre dois países, se isso ocorre com o café, que é um dos produtos mais antigos da pauta de exportações, pense com outros produtos.

O esforço tem sido feito para mudar essa situação com a organização dos produtores, tentando exportar o produto com a maior quantidade de valor agregado o possível, para que a maior fatia da renda e do desenvolvimento fique dentro do país.

Melhorar a imagem do café “made in Brazil” no exterior é de suma importância.

Frank Astor do NascimentoEnvie um email!
Professor - FACIG

  Enviar este artigo por e-mail  Imprimir este artigo  Como citar esse artigo 
:. COMENTÁRIOS
    Clique aqui!  E deixe seu comentário sobre o artigo!

  • ...termos de troca...
    Muito bom o texto, mas gostaria de colocar um ponto sobre o título: acho que na situação defendida não ocorre uma deterioração dos termos de troca, pois não há baixa, queda nem tombo algum que deteriore qualquer coisa (como o café). Mas sim, me parece que há um problema constante, que é a falta de valor agregado intrínseco aos produtos primários de fácil produção - oposto por exemplo ao petróleo, de difícil captação. A taxa à qual as exportações são trocadas pelas importações é dada pela razão entre o índice de preços das exportações e portanto uma melhoria dos termos de troca corresponderia a um aumento desta razão: um dado volume de exportações permitiria pagar um maior volume de importações. Mas como fazer isso se o café "in natura" é per se de baixo valor? Industrilize-o diz o texto, mas, isso nao deterioraria nem mudaria os termos de troca, só agregaria valor...
    Thiago Braga - 11/05/10 17:16

  • Deterioração dos termos de troca
    Muito Bem! Gostei muito do artigo, pois me esclareceu muita coisa sobre o que estou estudando em Geografia - sobre a África, não estava entendendo como a apostila explicava e decidi apelar para a internet! E pelo que vejo fui muito bem-sucedida e feliz em minha procura! Muito Obrigada! 09/09/2007
    Mariany da Cruz - 09/09/07 08:48

  • :. ARTIGOS RELACIONADOS

    Artigos por assunto

    Administração Agribusiness Agricultura de Precisão Agricultura Familiar Agricultura Urbana Agroecologia e orgânicos Agroindústria Agronegócio Agropecuária Familiar Agropesquisa Alimentação Apicultura Avicultura Boi verde e Pecuária orgânica Bovinocultura Caprinocultura Ciência florestal Climatologia Comércio internacional Comunicação Contaminação de águas Cooperativismo Crédito agrícola Crédito Rural Crise Energética Desenvolvimento Rural Desenvolvimento Sustentável Ecologia Educação Exportação Extensão Fauna Silvestre Fertilidade do Solo Fertilidade e conservação do solo Fitopatologia Fitotecnia Forrageiras Fruticultura Genética Horticultura Internet na agricultura Irrigação e Drenagem Marketing Meio ambiente Nutrição animal Ovinocultura Paisagismo Pecuária Leiteira Piscicultura Plantas Daninhas Plantas Medicinais Plantio direto Pragas e doenças Rastreabilidade Animal Sanidade animal Segurança Alimentar Seguro agrícola Sementes Suinocultura Tecnologia Transgênicos Zoonoses
    Copyright © 2000 - 2017 Agronline.com.br