Agronline
Página inicial dos artigos
Início
 
Agricultura
 
Agroinformática
 
Desenv. Rural
Economia Rural
 
Pecuária
 
Importância da Correção do Solo e Adubação para a Produção Agropecuária no Estado do Tocantins

02/08/2007

O Estado do Tocantins possui cerca de 90 % do seu território dominado pelos Cerrados. Nesse bioma, predominam solos com baixa fertilidade e acidez elevada com presença de elementos, como o alumínio (Al), em forma tóxica pra o crescimento de raízes. A acidez está presente, também, nas camadas do subsolo que, aliada aos baixos teores de cálcio (Ca), limitam o crescimento das raízes em profundidade, diminuindo a absorção de água e nutrientes e aumentando os riscos dos veranicos para os sistemas de produção agrícola.

As principais classes de solos da região são de solos Concrecionários (23 %), Latossolos (22 %) e Neossolos Quartzarênicos (19 %). Como uma das características dessas classes, pode-se citar a predominância de texturas média e arenosa, o que determina uma baixa retenção de água, favorecida também pelo baixo teor de matéria orgânica dos solos. Dessa forma, as práticas da gessagem, calagem e adubação são fundamentais para permitir sistemas agropecuários mais produtivos e sustentáveis no Estado.

A calagem em níveis adequados fornece Ca e magnésio (Mg) às plantas, aumenta o pH do solo, diminui os níveis tóxicos das formas de Al e aumenta a disponibilidade de fósforo (P). Em solos com concentração muito baixa de Al e baixa concentração de Ca, o suprimento desse nutriente é o principal fator responsável pelo crescimento do sistema radicular. Com esses benefícios ter-se-á, em última análise, o aumento de produtividade das culturas.

Uma boa recomendação de corretivos e fertilizantes se inicia com uma boa amostragem de solo, que implica em dividir a área em talhões homogêneos de acordo com o relevo, textura do solo, histórico de uso, etc. Deve-se coletar cerca de 20 pontos (amostras simples) na profundidade recomendada para se formar uma amostra composta. Para culturas anuais a profundidade mais utilizada é de 0-20 cm e, adicionalmente de 20-40 e 40-60 cm, para culturas perenes. As amostras simples devem ser homogeneizadas em lona plástica ou balde, retirando-se cerca de 200 a 300 g de solo, acondicionando em saco plástico devidamente identificado (nome do produtor, da fazenda, profundidade amostrada, cultura de interesse, etc.) para envio ao laboratório de análise de solo.

As doses recomendadas de calcário são calculadas com base na demanda de Ca e Mg pela planta, na tolerância de cada espécie ao Al e no teor de argila do solo. Os métodos de cálculo mais utilizados são o da neutralização do Al e elevação dos teores de Ca e Mg no solo e o da saturação por bases. Como culturas mais exigentes em Ca e Mg podem ser citadas o café, cana, melancia, melão, mamão e menos exigentes a mandioca, pastagens e eucalipto. A calagem em doses abaixo das recomendáveis não permite alcançar os objetivos propostos da técnica e, em doses acima, pode promover alcalinização do solo, com diminuição da disponibilidade de micronutrientes.

O valor de 2,0 cmolc dm-3 de Ca + Mg disponíveis no solo atende à demanda de grande parte das culturas, com Al reduzido a zero. A saturação por bases de 50 % satisfaz a maioria das culturas de sequeiro cultivadas no Cerrado. Em sistemas irrigados, recomenda-se aplicar calcário para elevar a saturação por bases a 60 % e em pastagens estabelecidas com espécies tolerantes à acidez recomenda-se saturação por bases de 30 %.

Páginas: anterior 1 2 próxima Topo da página


Manoel Ricardo A. FilhoEnvie um email!
Pesquisador - EMBRAPA/CPAC

  Enviar este artigo por e-mail  Imprimir este artigo  Como citar esse artigo 
:. COMENTÁRIOS
    Clique aqui!  E deixe seu comentário sobre o artigo!

  • Lavoura de trigo
    A lavoura de trigo poderá voltar a ser mais significativa nas próximas safras, devido a necessidade de consumo, a dificuldade de importação, a escaces do produto no mercado mundial. Estes acontecimentos fez acender o alerta geral, principalmente nos órgãos governamentais. Mas só aumento de preço de mercado e necessidade de produção não é o suficiente. O produtor precisa adquirir confiança, principalmente no que diz respeito a garantia de compra futura,a clareza da política para o setor, um seguro adequado, a viabilização do acesso ao crédito oficial do produtor e política de longo prazo, para o setor. Com isto, o produtor poderá utilizar um pacote tecnológico mínimo que lhe proporcione ter uma produtividade que cubra os custos e gere renda.A proporçao do aumento dos fertilizantes e de alguns defensivos está preocupando aqueles que arriscaram a cultura do trigo sem estas garantias.
    Carlos Roberto Bestétti - 20/05/08 12:20

  • :. ARTIGOS RELACIONADOS

    Artigos por assunto

    Administração Agribusiness Agricultura de Precisão Agricultura Familiar Agricultura Urbana Agroecologia e orgânicos Agroindústria Agronegócio Agropecuária Familiar Agropesquisa Alimentação Apicultura Avicultura Boi verde e Pecuária orgânica Bovinocultura Caprinocultura Ciência florestal Climatologia Comércio internacional Comunicação Contaminação de águas Cooperativismo Crédito agrícola Crédito Rural Crise Energética Desenvolvimento Rural Desenvolvimento Sustentável Ecologia Educação Exportação Extensão Fauna Silvestre Fertilidade do Solo Fertilidade e conservação do solo Fitopatologia Fitotecnia Forrageiras Fruticultura Genética Horticultura Internet na agricultura Irrigação e Drenagem Marketing Meio ambiente Nutrição animal Ovinocultura Paisagismo Pecuária Leiteira Piscicultura Plantas Daninhas Plantas Medicinais Plantio direto Pragas e doenças Rastreabilidade Animal Sanidade animal Segurança Alimentar Seguro agrícola Sementes Suinocultura Tecnologia Transgênicos Zoonoses
    Copyright © 2000 - 2017 Agronline.com.br