Agronline
Página inicial dos artigos
Início
 
Agricultura
 
Agroinformática
 
Desenv. Rural
Economia Rural
 
Pecuária
 
Incremento de pastagem na planície pantaneira, Corumbá,MS

07/12/2005

:. Do mesmo autor
As braquiárias no Pantanal

Sistema de pecuária bovina orgânica no pantanal

Queimada controlada no Pantanal

Utilização da Queima Controlada em Caronal

O Pantanal é uma planície sedimentar com predominância de campos inundáveis, que tem como principal atividade econômica a criação extensiva de bovinos de corte. Até 30 anos atrás, a alimentação dos bovinos era totalmente sustentada pelas forrageiras nativas. Entretanto, um dos principais fatores limitantes da pecuária, não só a pantaneira, mas nos trópicos, de um modo em geral, é a baixa qualidade e disponibilidade das pastagens nativas. Nessas últimas décadas, os fazendeiros do Pantanal fizeram diversas tentativas para introdução de espécies de gramíneas exóticas, com a finalidade de aumentar a oferta alimentar, em épocas críticas de seca e cheia, especialmente para algumas categorias animais (touros após a estação de monta, bezerros desmamados, novilhas de reposição e de primeira cria), que requerem pastagens com maior disponibilidade e melhor qualidade nutricional.

Nesta busca, foram várias as tentativas de adaptação de espécies exóticas na região, culminando com as espécies do gênero Brachiaria, que melhor se adaptaram aos solos arenosos e pobres da região, sendo as espécies B. humidicola, B. decumbens e B. brizanta, citadas na seqüência as mais cultivadas atualmente. Com base nas pesquisas realizadas pela equipe multidisciplinar da Embrapa Pantanal, pode-se afirmar que as espécies B. decumbens e B. humidicola, estão bem adaptadas às condições do Pantanal, especialmente a B. humidicola, capaz de resistir por um período de até quatro meses em solos com alto grau de encharcamento.

Por ser o Pantanal considerado Reserva da Biosfera e Patrimônio da Humanidade, um dos grandes desafios é a conservação aliada com o aumento da produtividade. Um dos principais questionamentos sobre essa região, refere-se a quantidade de hectares que já foi desmatado para cultivo das braquiárias. De uns tempos para cá, estão predominando as substituições de áreas de campo-cerrado com gramíneas grosseiras, como capim-carona, capim-vermelho e capim-fura-bucho, por espécies de braquiárias. No entanto, não há dados quantificados da evolução do desmatamento e da substituição de pastagens realizados nas últimas décadas. Neste sentido, uma equipe da Embrapa Pantanal, juntamente com o Centro de Pesquisa do Pantanal (CPP), vem trabalhando para elucidar essa questão. Este trabalho está sendo realizado através de levantamento dos últimos 10 anos, de 1994 a 2004, das autorizações emitidas pelos órgãos de licenciamento ambiental, Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA) e Instituto de Meio Ambiente Pantanal (IMAP), órgão vinculado a Secretaria de Meio Ambiente do Mato Grosso do Sul (SEMA). Até novembro de 1993, os dois órgãos poderiam emitir essa autorização (licenciamento); atualmente somente o IMAP tem essa atribuição. Veja os números apresentados abaixo: número de fazendas que requereram a solicitação (1); total de hectares dessas fazendas (2); total de hectares autorizados para desmatamento e/ou substituição de gramíneas (3); incremento em percentual para cada ano (4). Anos: 1994 – 14 (1), 147.189,51(2), 4,078,00(3), 2,77 (4);

1995 – 9 (1), 297.823,58 (2), 16.871,00 (3), 5,66 (4);

1996 – 11 (1), 147.807,71 (2), 6.162,00 (3), 4,47 (4);

1997 – 10 (1), 106.610,56 (2), 4.049,00 (3), 3,80 (4);

1998 – 28 (1), 167.981,54 (2), 10.781,00 (3), 5,61 (4);

1999 – 25 (1), 162.679,00 (2), 8.341,00 (3), 5,13 (4); e

2000 – 18 (1), 119.228,73 (2), 10.405,00 (3), 8,73 (4).

Observa-se que está havendo um incremento de áreas com pastagem cultivada. Desta forma, atualmente devemos atentar para três prerrogativas: a) que o uso de pastagem cultivada está fortemente alicerçado no manejo e uso eficiente dessa pastagem; b) que os pecuaristas deverão utilizar as pastagens cultivadas e como alternativa para algumas categorias animais e nunca como substitutas das pastagens nativas, c) para que o desenvolvimento desse bioma esteja aliado à conservação ambiental, o Pantanal deve ser merecedor de uma legislação específica.

Sandra Mara de Araújo CrispimEnvie um email!
Pesquisadora - EMBRAPA/CPAP
Sandra Aparecida SantosEnvie um email!
Pesquisadora - EMBRAPA/CPAP
Luiz Alberto PellegrinEnvie um email!
Pesquisador - EMBRAPA/CPAP
Urbano Gomes Pinto de AbreuEnvie um email!
Pesquisador - EMBRAPA/CPAP

  Enviar este artigo por e-mail  Imprimir este artigo  Como citar esse artigo 
:. COMENTÁRIOS
    Clique aqui!  E deixe seu comentário sobre o artigo!

:. ARTIGOS RELACIONADOS

Artigos por assunto

Administração Agribusiness Agricultura de Precisão Agricultura Familiar Agricultura Urbana Agroecologia e orgânicos Agroindústria Agronegócio Agropecuária Familiar Agropesquisa Alimentação Apicultura Avicultura Boi verde e Pecuária orgânica Bovinocultura Caprinocultura Ciência florestal Climatologia Comércio internacional Comunicação Contaminação de águas Cooperativismo Crédito agrícola Crédito Rural Crise Energética Desenvolvimento Rural Desenvolvimento Sustentável Ecologia Educação Exportação Extensão Fauna Silvestre Fertilidade do Solo Fertilidade e conservação do solo Fitopatologia Fitotecnia Forrageiras Fruticultura Genética Horticultura Internet na agricultura Irrigação e Drenagem Marketing Meio ambiente Nutrição animal Ovinocultura Paisagismo Pecuária Leiteira Piscicultura Plantas Daninhas Plantas Medicinais Plantio direto Pragas e doenças Rastreabilidade Animal Sanidade animal Segurança Alimentar Seguro agrícola Sementes Suinocultura Tecnologia Transgênicos Zoonoses
Copyright © 2000 - 2017 Agronline.com.br