Agronline
Página inicial dos artigos
Início
 
Agricultura
 
Agroinformática
 
Desenv. Rural
Economia Rural
 
Pecuária
 
Inovação: as cartas estão na mesa

04/01/2010

:. Do mesmo autor
Transferência de tecnologia: decifra-me ou te devoro

Há poucas décadas atrás, por volta dos anos 60, a inovação no Brasil ocorria quase que exclusivamente por meio da compra de novos equipamentos e novos insumos. Esse produtos eram geralmente obtidos de empresas transnacionais e eram consideradas como inovações desenvolvidas por alguém que não se sabia quem nem exatamente aonde mas que eram ditas e tidas como capazes de melhorar a competitividade das empresas.

Nesta mesma época as fábricas nacionais enfrentavam somente as intempéries das conjunturas da economia e do mercado nacionais, sem terem que se preocupar com seus concorrentes estrangeiros.

Esta situação perdurou, com poucas modificações, ate o final dos anos 80 e início dos anos 90, quando o fenômeno da globalização e da abertura do mercado brasileiro a produtos estrangeiros fez com que o consumidor brasileiro tomasse conhecimento de um outro parâmetro de qualidade e preço, permitindo então a comparação entre os produtos nacionais e os importados e, consequentemente, o confronto entre o patamar tecnológico entre as indústrias nacionais e estrangeiras.

Assim, provocadas por um contexto muito forte de competitividade, o governo , as indústrias, as instituições geradoras de conhecimento tecnológico e a sociedade, começaram a repensar seu papel na sociedade na busca de uma solução que permitisse enfrentar esse cenário de incertezas causados pelo fechamento de fábricas, perdas de emprego e empobrecimento social.

A partir de então as pesquisa estocadas nas universidades e instituições de pesquisa passaram a ser percebidas como fator fundamental para reduzir a lacuna tecnológica criada durante os anos de adoção de receitas de bolo vindas do exterior. Desde então foi estabelecido um outro desafio: como traduzir conhecimento em riqueza? como levar a competência e conhecimentos, fossem eles tácitos ou codificados dos diversos setores da sociedade, principalmente os disponíveis nas universidades e instituições de ciência e tecnologia, para o setor produtivo como forma de reduzir a defasagem tecnológica do setor da indústria nacional.

Alguns países, que há poucas décadas atrás eram considerados países em desenvolvimento, já encontraram esse caminho e mostram o valor que o conhecimento adquire quando encontra seu lugar no setor produtivo e se transforma numa inovação. A Coréia tem sido muito utilizada em comparações com o Brasil quando se quer referenciar desenvolvimento econômico baseado em conhecimento. Devido ao salto econômico conseguido nos últimos 30 anos, este país já é considerado pelo FMI como um pais desenvolvido.

Mas esse caminho não é uma receita de bolo que se copia facilmente, cada país e cada conjuntura irá fazer com que os métodos e procedimentos de transformar conhecimento em inovação - implementação de um produto novo, bem ou serviço, novo ou significativamente melhorado que proporcione efetivos ganhos de qualidade ou produtividade, resultando em maior competitividade - seja único e peculiar fazendo que experiencias bem sucedidas sejam passiveis de estudos e observações mas não de serem copiados pura e simplesmente.

O Brasil é um pais que convive com diferentes realidades e não é diferente quando se trata de inovação e transferência de tecnologia. Mas, é inegável que o momento é extremamente favorável para quem está envolvido com este processo, seja na geração de conhecimento ou na transferência destes para a sociedade.

A Lei dos Incentivos Fiscais - Lei do Bem -, a Lei de Propriedade Intelectual, a Lei de Inovação são marcos legais que estão dando sustentabilidade ao processo de inovação e transferência de tecnologia por meio da proteção do conhecimento e do estabelecimento de regras para o deslocamento de pesquisadores de instituições públicas para empresas privadas por tempo determinado, entre outras assuntos correlatos.

A Lei de Inovação proporcionou a criação dos Núcleos de Inovação Tecnológicas (NITs) nas universidades brasileiras e está sendo um importante passo para acrescentar ao mundo acadêmico uma visão de negócio que tem permitido dar nova dinâmica à transferência do conhecimento estocado nas academias e nos centros de pesquisa.

Hoje é perceptível um ambiente mais propício para transferir de tecnologias para gerar inovações. As ações do Ministério da Ciência e Tecnologia, FINEP, CNPq, CAPES, as fundações de amparo, atualmente dispõem de linhas especificas que financiam atividades relacionadas à inovação.

O BNDES que antes financiava apenas grandes transações comerciais como a compra de grandes equipamentos e construções de grandes indústrias, agora, criou uma linha específica para financiar, entre outras coisas, serviços de inovação, propriedade intelectual e extensão tecnológica exclusivos para as micro, pequenas e médias empresas.

As cartas estão na mesa e os mais dinâmicos poderão usufruir dessas oportunidades. Confiança deverá ser a palavra chave para que a roda da inovação não pare de rodar.

Marcos Luiz Leal MaiaEnvie um email!
Pesquisador - EMBRAPA/CTAA

  Enviar este artigo por e-mail  Imprimir este artigo  Como citar esse artigo 
:. COMENTÁRIOS
    Clique aqui!  E deixe seu comentário sobre o artigo!

:. ARTIGOS RELACIONADOS

Artigos por assunto

Administração Agribusiness Agricultura de Precisão Agricultura Familiar Agricultura Urbana Agroecologia e orgânicos Agroindústria Agronegócio Agropecuária Familiar Agropesquisa Alimentação Apicultura Avicultura Boi verde e Pecuária orgânica Bovinocultura Caprinocultura Ciência florestal Climatologia Comércio internacional Comunicação Contaminação de águas Cooperativismo Crédito agrícola Crédito Rural Crise Energética Desenvolvimento Rural Desenvolvimento Sustentável Ecologia Educação Exportação Extensão Fauna Silvestre Fertilidade do Solo Fertilidade e conservação do solo Fitopatologia Fitotecnia Forrageiras Fruticultura Genética Horticultura Internet na agricultura Irrigação e Drenagem Marketing Meio ambiente Nutrição animal Ovinocultura Paisagismo Pecuária Leiteira Piscicultura Plantas Daninhas Plantas Medicinais Plantio direto Pragas e doenças Rastreabilidade Animal Sanidade animal Segurança Alimentar Seguro agrícola Sementes Suinocultura Tecnologia Transgênicos Zoonoses
Copyright © 2000 - 2017 Agronline.com.br