Agronline
Página inicial dos artigos
Início
 
Agricultura
 
Agroinformática
 
Desenv. Rural
Economia Rural
 
Pecuária
 
Limite máximo de resíduo de fungicidas em mamão

29/03/2004

:. Do mesmo autor
Reação de genótipos de mamoeiro à inoculação com Phytophthora palmivora

Fungos micorrízicos arbusculares em pomares irrigados de citros

Portifólio de tecnologias em mandioca e fruticultura

Rizobactérias em citros

Indução de resistência para o controle de doenças do mamoeiro

Uma das maiores preocupações dos países importadores de frutas refere-se ao uso de produtos fitossanitários nas lavouras e os níveis de contaminação com resíduos tóxicos que possam fazer mal a saúde. Lotes de frutas contaminadas podem ser rejeitados e o prejuízo é todo do exportador que não se certificar de que os produtos exportados apresentem eventuais níveis de resíduos dentro dos limites aceitáveis pelo país importador.

Os níveis de resíduos eventualmente detectados nessas frutas devem ser inferiores aos Limites Máximos de Resíduos (LMR) estabelecidos após a realização de todos os estudos toxicológicos necessários. O Limite Máximo de Resíduo (LMR) é definido como a quantidade máxima de resíduo de agrotóxico ou afim oficialmente aceita no alimento, em decorrência da aplicação adequada numa fase específica, desde sua produção até o consumo, expressa em partes (em peso) do agrotóxico, afim ou seus resíduos por milhão de partes de alimento (em peso) (ppm ou mg/kg).

Todo alimento importado ou exportado pode ser analisado para se avaliar se os níveis de resíduos estão abaixo do LMR. Para isto, os Limites Máximos de Resíduos são estabelecidos internacionalmente pela Comissão do Codex Alimentarius. Esse colegiado foi criado em 1963, num esforço conjunto da FAO (Food and Agriculture Organization) e Organização Mundial de Saúde, com o objetivo de proteger a saúde dos consumidores, assegurar transações comerciais justas e estabelecer um programa padronizado de controle dos alimentos.

Além das barreiras fitossanitárias referentes a pragas e doenças, também a rigorosa exigência sobre o LMR, imposta por alguns países importadores, pode bloquear grande parte das exportações agrícolas brasileiras para esses mercados. Ás vezes trata-se de nível de tolerância que os países exportadores reclamam se chocar com o Codex Alimentarius. Mas, para algumas frutas, como é o caso do mamão, esse Codex não se encontra atualizado no que se refere à inclusão de todos os produtos fitossanitários aplicados na cultura. Exemplificando essa situação, abaixo são apresentados os Limites Máximos de Resíduos para alguns fungicidas utilizados na cultura do mamoeiro, comparando esses valores com a regulamentação no Brasil, Reino Unido e Codex Alimentarius.

Limite Máximo de Resíduo (LMR) de fungicidas em mamão.

Ingrediente ativo Limite Máximo de Resíduo (mg/kg)

Brasil1 Reino Unido2 Codex3
Chlorothalonil 0,10 0,01 -
Famoxadone 0,05 0,02 -
Imazalil 1,00 0,02 -
Maneb 7,00 0,05 -
Prochloraz 1,00 5,00 1,00
Thiabendazole 6,00 10,00 -


1 Sistema de Informação sobre Agrotóxicos, 2004.

2 Pesticides Safety Directorate, UK, 2004.

3 Codex Alimentarius - FAO, 2004.

Para mamão, a mais recente edição do Codex Alimentarius apresenta LMR de 5,00 mg/kg para os ditiocarbamatos e quinometionatos e de 1,00 mg/kg para o Prochloraz. Esse último LMR é idêntico ao do Brasil e cinco vezes inferior ao do Reino Unido. Se considerarmos que Maneb é um ditiocarbamato, o LMR do Reino Unido (0,05 mg/kg) é dez vezes inferior ao do Codex, que por seu turno, é inferior ao registrado no Brasil. Dentre os fungicidas listados acima, em quatro deles o Brasil admite LMR no mamão com valores superiores aos do Reino Unido.

Antonio Alberto Rocha OliveiraEnvie um email!
Pesquisador - EMBRAPA/CNPMF

  Enviar este artigo por e-mail  Imprimir este artigo  Como citar esse artigo 
:. COMENTÁRIOS
    Clique aqui!  E deixe seu comentário sobre o artigo!

:. ARTIGOS RELACIONADOS

Artigos por assunto

Administração Agribusiness Agricultura de Precisão Agricultura Familiar Agricultura Urbana Agroecologia e orgânicos Agroindústria Agronegócio Agropecuária Familiar Agropesquisa Alimentação Apicultura Avicultura Boi verde e Pecuária orgânica Bovinocultura Caprinocultura Ciência florestal Climatologia Comércio internacional Comunicação Contaminação de águas Cooperativismo Crédito agrícola Crédito Rural Crise Energética Desenvolvimento Rural Desenvolvimento Sustentável Ecologia Educação Exportação Extensão Fauna Silvestre Fertilidade do Solo Fertilidade e conservação do solo Fitopatologia Fitotecnia Forrageiras Fruticultura Genética Horticultura Internet na agricultura Irrigação e Drenagem Marketing Meio ambiente Nutrição animal Ovinocultura Paisagismo Pecuária Leiteira Piscicultura Plantas Daninhas Plantas Medicinais Plantio direto Pragas e doenças Rastreabilidade Animal Sanidade animal Segurança Alimentar Seguro agrícola Sementes Suinocultura Tecnologia Transgênicos Zoonoses
Copyright © 2000 - 2017 Agronline.com.br