Agronline
Página inicial dos artigos
Início
 
Agricultura
 
Agroinformática
 
Desenv. Rural
Economia Rural
 
Pecuária
 
Melhoramento de feijão na Embrapa Trigo

15/05/2008

A Embrapa Arroz e Feijão coordena o programa nacional de melhoramento genético do feijoeiro, gerando populações e linhagens com características de interesse agronômico, como produtividade, arquitetura de planta, precocidade, tolerância a estresses bióticos e abióticos e qualidade nutricional e funcional do grão.

Este germoplasma com variabilidade genética ampla irá alimentar as várias unidades que dão suporte ao programa visando desenvolver cultivares melhoradas mais produtivas, adaptadas às diferentes regiões produtoras e estáveis, permitindo assim manter a competitividade e sustentabilidade do feijoeiro comum no agronegócio brasileiro.

O feijão é uma cultura de importância econômica, social, nutricional e funcional. É cultivado por pequenos e grandes produtores. O consumo nas várias regiões do país orienta a pesquisa, direcionando a produção e comercialização do produto.

O feijão preto é mais popular no Rio Grande do Sul, Santa Catarina, sul e leste do Paraná, Rio de Janeiro, sudeste de Minas Gerais e sul do Espírito Santo. No restante do país a predominância é do feijão de tipo carioca, correspondendo a 53% da área cultivada.

As unidade da Embrapa que conduzem ensaios na região sul, em parceria com o CNPAF, são: No Paraná, Embrapa Soja (Londrina), SNT (Ponta Grossa); e, no Rio Grande do Sul, Embrapa Trigo (Passo Fundo), Embrapa Clima Temperado (Pelotas). Além disso existem outras instituições de pesquisa parceiros que também conduzem ensaios, como por exemplo a Fepagro no Rio Grande do Sul.

A Embrapa Trigo conduz ensaios preliminares, ensaios de valor e cultivo e uso (VCU) e também faz parte da rede do ensaio estadual de cultivares indicadas para o Rio Grande do Sul.

Atualmente, a Embrapa possui 12 cultivares de feijão indicadas para o Rio Grande do Sul, sendo dez do tipo preto e duas do tipo carioca.

O Feijão respondeu por 2,5% da produção brasileira de grãos na safra 2006/07. Produziu 3,34 milhões de toneladas em uma área de 4,1 milhões de hectares, uma redução de 3,3% e 3,9%, respectivamente.

No Rio Grande do Sul, diferente da estimativa nacional, a área se manteve praticamente a mesma com leve redução de 0,4% e a produção aumentou em 26,4%, em relação ao ano passado, devido às condições climáticas favoráveis ao desenvolvimento da cultura.

Na região sul o feijão é cultivado em duas épocas, safra (época das águas) e safrinha (época da seca). No Rio Grande do Sul, a época da safra vai de outubro a dezembro e a safrinha de janeiro a fevereiro, dependendo da região.

Os cuidados que devem ser recomendados ao produtor são: plantio na época recomendada, utilizar cultivares indicadas e validadas pela pesquisa, utilizar sementes de boa qualidade e seguir as indicações para a cultura do feijoeiro. Seguindo estes procedimentos os riscos são reduzidos, aumentando a chance de sucesso na lavoura. Só dependendo então das condições climáticas para garantir uma boa produtividade.

A complementaridade do feijão com arroz não é apenas saborosa, mas também nutritiva. A combinação dos dois alimentos é perfeita, pois além de fornecerem diversos nutrientes, eles se complementam nas suas deficiências.

O arroz é pobre em lisina, que por sua vez é encontrado em abundância no feijão. Já este é pobre em metionina, o qual ocorre fartamente no arroz. Por isso que se diz que Arroz e Feijão é o par perfeito, assim como queijo e goiabada (Romeu e Julieta), morango e chocolate, maçã e canela, entre outras combinações de sucesso.

Rita Maria Alves de MoraesEnvie um email!
Pesquisadora - EMBRAPA/CNPT

  Enviar este artigo por e-mail  Imprimir este artigo  Como citar esse artigo 
:. COMENTÁRIOS
    Clique aqui!  E deixe seu comentário sobre o artigo!

  • NITROGENIO LIQUIDO 32% SUBISTITUI UREIA E NITRATO
    O nitrogênio liquido e um produto de nanotecnologia são partículas ate 9 vezes menores do que os poros da planta isso faz com que absorção pela planta seja imediata bem diferente da ureia que em contato com solo úmido se perde 60% do nitrogênio por evaporação o resultado e igual ou melhor que ureia nitrato etc só que com uma redução no custo de ate 50% sem contar redução com mão de obra maior facilidade de armazenar etc dosagem 1 litro do vital nitrogênio equivale a 35 kg de ureia vantagens operacionais maior autonomia dos equipamentos aplicadores, pela maior capacidade de carga; pouca exigência em mão-de-obra no manuseio do fertilizante; elimina os custos com estrutura de armazenamento para fertilizantes; elimina as perdas de produtos por manuseio excessivo versatilidade nas formulações o processo de produção de fertilizantes líquidos permite a obtenção de um grande número de formulações com concentrações de nutrientes variadas, atendendo às necessidades do complexo solo-planta, de forma agronomicamente correta e com vantagens econômicas. Localização/distribuição do fertilizante os equipamentos aplicadores de fertilizantes líquidos permitem, por meio de regulagens simples, a distribuição do produto de maneira mais uniforme e nos locais de melhor aproveitamento pelas culturas. Segurança na dosagem o fertilizante líquido e os equipamentos aplicadores conferem precisão nas dosagens aplicadas, eliminando o problema de falta/excesso de nutrientes nas adubações. acompanhando a evolução tecnológica da agricultura, produzimos fertilizantes líquidos na forma de soluções e suspensões. É uma técnica que traz muitos benefícios para o dia-a-dia da propriedade rural. excelentes benefícios na armazenagem, transporte e aplicação acompanhando a evolução tecnológica da agricultura, produzimos fertilizantes líquidos na forma de soluções e suspensões. É uma técnica que traz muitos benefícios para o dia-a-dia da propriedade
    ANDRIGO - 09/05/12 21:57

  • :. ARTIGOS RELACIONADOS

    Artigos por assunto

    Administração Agribusiness Agricultura de Precisão Agricultura Familiar Agricultura Urbana Agroecologia e orgânicos Agroindústria Agronegócio Agropecuária Familiar Agropesquisa Alimentação Apicultura Avicultura Boi verde e Pecuária orgânica Bovinocultura Caprinocultura Ciência florestal Climatologia Comércio internacional Comunicação Contaminação de águas Cooperativismo Crédito agrícola Crédito Rural Crise Energética Desenvolvimento Rural Desenvolvimento Sustentável Ecologia Educação Exportação Extensão Fauna Silvestre Fertilidade do Solo Fertilidade e conservação do solo Fitopatologia Fitotecnia Forrageiras Fruticultura Genética Horticultura Internet na agricultura Irrigação e Drenagem Marketing Meio ambiente Nutrição animal Ovinocultura Paisagismo Pecuária Leiteira Piscicultura Plantas Daninhas Plantas Medicinais Plantio direto Pragas e doenças Rastreabilidade Animal Sanidade animal Segurança Alimentar Seguro agrícola Sementes Suinocultura Tecnologia Transgênicos Zoonoses
    Copyright © 2000 - 2017 Agronline.com.br