Agronline
Página inicial dos artigos
Início
 
Agricultura
 
Agroinformática
 
Desenv. Rural
Economia Rural
 
Pecuária
 
Modelos de simulação e matéria orgânica do solo: definindo agrossistemas sustentáveis para o meio-norte do Brasil

03/04/2006

A matéria orgânica do solo (MOS) é importante na disponibilidade de nutrientes, estabilidade estrutural do solo e no fluxo de gases de efeito estufa entre a superfície terrestre e a atmosfera. Ela representa o principal compartimento de carbono na biosfera, estimado entre 1400 x 1015 g e 2200 x 1015 g, equivalente a cerca de duas a três vezes a quantidade no CO2 atmosférico. Neste sentido, a predição dos efeitos do clima, composição atmosférica e mudança no uso da terra sobre a dinâmica da MOS é essencial na formulação de políticas agrícolas, ambientais e socioeconômicas. Os modelos de simulação otimizam o entendimento da dinâmica da MOS e são ferramentas essenciais para estimar mudanças climáticas, para testar cenários específicos e para desenvolver estratégias que mitiguem os efeitos dessas mudanças. As mudanças no clima influenciam as taxas de acumulação e decomposição da MOS por meio de alterações na temperatura, umidade e taxa de retorno de resíduos vegetais ao solo. Outras mudanças, especialmente no manejo e uso da terra, podem ter efeitos maiores. Em ambiente tropical, as mudanças no uso da terra são essenciais no ciclo global do carbono, pois, a reciclagem da MOS é mais rápida do que em ambientes temperados, há grande quantidade de carbono e, por fim, as mudanças no uso da terra ocorrem rapidamente. Muitos modelos têm sido usados para simular a dinâmica da MOS em diversos agroecossistemas. No entanto, a maioria tem sido aplicada apenas em escala local e poucos em escala regional, nacional ou continental. A modelagem da dinâmica da MOS em escalas maiores apresenta diversos problemas, por exemplo, como simular a reciclagem de C em profundidade, como estimar aportes de C ao solo ou a produtividade primária líquida e como obter dados sobre os históricos do uso da terra. Um dos maiores desafios, no entanto, é a utilização em ambientes tropicais de modelos desenvolvidos em ambientes temperados. Estas dificuldades podem ser superadas por meio de uma avaliação criteriosa do modelo testando-o por meio da adoção de experimentos de longa duração, e calibrando-o, se necessário, para as condições específicas do local. Diversos modelos têm sido testados para simular a dinâmica da MOS. Os modelos de simulação Century e RothC, foram calibrados e validados com sucesso em uma diversidade de ecossistemas e tipos de solo, sendo a grande maioria sob condições de clima temperado o que tem, no entanto, estimulado a utilização em regiões tropicais. Nos cerrados do Piauí e do Maranhão, a Embrapa Meio-Norte tem desenvolvido projetos que visam, por meio do estudo da dinâmica da MOS e da utilização do modelo Century, definir sistemas de manejo sustentáveis, especialmente para as culturas do milho e da soja. Com os resultados preliminares desses trabalhos, tem sido possível verificar a redução nos estoques de MOS após a conversão da floresta nativa de cerrados para sistemas agrícolas, especialmente com preparo convencional do solo. Por outro lado, nos cenários criados com a remoção da floresta nativa, adequação da área com práticas como correção e adubação do solo e posterior adoção do sistema plantio direto, tem se verificado a recuperação desses estoques e a conseqüente melhoria da qualidade do solo o que ratifica este sistema como alternativa eficaz e viável também para os cerrados do Meio-Norte. Apesar dessa melhora, tem sido observado, por meio das simulações com o modelo, que o milheto, cultura de cobertura adotada na região, não tem propiciado elevado aporte de resíduo ao solo o que limitará, nos próximos anos, o incremento nos estoques de MOS. Para isso, têm sido incluídas nas simulações, culturas de cobertura consorciadas que possam propiciar maior produção de biomassa, como a braquiária brizanta e o sorgo, que juntamente com o sistema plantio direto, possibilitem em longo prazo, tornar os agrossistemas do Meio-Norte sustentáveis.

Luiz Fernando Carvalho LeiteEnvie um email!
Pesquisador III - EMBRAPA/CPAMN

  Enviar este artigo por e-mail  Imprimir este artigo  Como citar esse artigo 
:. COMENTÁRIOS
    Clique aqui!  E deixe seu comentário sobre o artigo!

  • modelos
    Gostaria de saber quais são esses modelos
    Eduardo - 21/03/10 07:04

  • :. ARTIGOS RELACIONADOS

    Artigos por assunto

    Administração Agribusiness Agricultura de Precisão Agricultura Familiar Agricultura Urbana Agroecologia e orgânicos Agroindústria Agronegócio Agropecuária Familiar Agropesquisa Alimentação Apicultura Avicultura Boi verde e Pecuária orgânica Bovinocultura Caprinocultura Ciência florestal Climatologia Comércio internacional Comunicação Contaminação de águas Cooperativismo Crédito agrícola Crédito Rural Crise Energética Desenvolvimento Rural Desenvolvimento Sustentável Ecologia Educação Exportação Extensão Fauna Silvestre Fertilidade do Solo Fertilidade e conservação do solo Fitopatologia Fitotecnia Forrageiras Fruticultura Genética Horticultura Internet na agricultura Irrigação e Drenagem Marketing Meio ambiente Nutrição animal Ovinocultura Paisagismo Pecuária Leiteira Piscicultura Plantas Daninhas Plantas Medicinais Plantio direto Pragas e doenças Rastreabilidade Animal Sanidade animal Segurança Alimentar Seguro agrícola Sementes Suinocultura Tecnologia Transgênicos Zoonoses
    Copyright © 2000 - 2017 Agronline.com.br