Agronline
Página inicial dos artigos
Início
 
Agricultura
 
Agroinformática
 
Desenv. Rural
Economia Rural
 
Pecuária
 
O monitoramento da pesca no pantanal do Mato Grosso do Sul

23/05/2002

:. Do mesmo autor
Banco de sêmen congelados de peixes do pantanal

Considerações sobre o manejo da pesca no estado de MT

Pesca profissional: desafios e oportunidades

Reflexões sobre a pesca esportiva no pantanal sul: Crise e perspctivas

Conhecimento ecológico tradicional e manejo de pesca

Uma nova visão do manejo pesqueiro

Aspectos ecológicos e culturais da pescaria de anzol

Os Peixes e o Ecossistema

A Bacia do Alto Paraguai localiza-se acima do rio Apa, na fronteira do Brasil com o Paraguai e inclui a planície de inundação que vem a ser o Pantanal propriamente dito e o planalto circundante. O Pantanal abrange aproximadamente 140.000km2, equivalente a pouco mais da metade da área do Estado de São Paulo, sendo um dos maiores sistemas de áreas alagáveis do mundo. Abriga flora e fauna diversificadas num complexo sistema hidrológico formado por diferentes tipos de corpos d’água como rios, corixos, lagoas (localmente denominadas de “baías”), vazantes, brejos e salinas. Mais de 260 espécies de peixes ocorrem nestes ambientes aquáticos, onde desenvolveram diferentes estratégias de vida, constituindo-se em elementos fundamentais do ecossistema. Os peixes são dispersores de sementes e representam o principal alimento para muitos répteis, aves e mamíferos da região.

O Monitoramento da Pesca

Além de seu papel ecológico, os peixes têm grande importância sócio-econômica, explorados pela pesca no Pantanal, atualmente em três modalidades: pesca de subsistência, pesca amadora ou esportiva e pesca profissional artesanal. É importante ressaltar que os pescadores profissionais detêm um conhecimento extraordinário sobre a ecologia do Pantanal, ensinada de pai para filho há muitas gerações: identificam cardumes de peixes e o seu deslocamento observando a superfície das águas, conhecem o habitat, horário ideal, época do ano, método e isca específicos para capturar cada peixe, fabricam os próprios instrumentos de pesca como canoas, redes, tarrafas e anzóis, levantam acampamentos aproveitando os recursos locais, utilizam várias plantas nativas para remédio, fibras, conhecem as propriedades de muitas madeiras para diversas finalidades e os hábitos de vários componentes da fauna da região. A demanda de iscas vivas pela pesca esportiva criou um mercado com a valorização econômica de algumas espécies, principalmente a tuvira ou sarapó (Gymnotus sp.), surgindo uma nova modalidade de pescador profissional, o “isqueiro”.

Nos últimos vinte anos ocorreram mudanças radicais no cenário da pesca no Pantanal em MS, podendo-se dizer que o peixe mudou de mão. A captura da pesca profissional despencou de um patamar de 2117 toneladas em 1983 para 319 toneladas em 1999, representando apenas 21% da captura total anual (1540 toneladas), enquanto os pescadores esportivos capturaram 1218 toneladas (79%). O setor turístico pesqueiro cresceu vertiginosamente neste período, tornando-se uma das principais atividades econômicas do Estado, estruturando-se para oferecer transporte, hospedagem, alimentação e serviços especializados para atender à crescente demanda de sua clientela. Para os pescadores profissionais, trabalhar neste setor representa uma opção, mas não deve ser uma imposição, pois eles detêm sua própria cultura e visão de mundo que devem ser respeitadas. Ao mesmo tempo, a política estadual de pesca de Mato Grosso do Sul impôs medidas restritivas à pesca profissional, proibindo o uso de redes e da tarrafa “curimbeira”. Isto exigiu um forte aparato de fiscalização, deflagrando um conflito entre os interesses das duas modalidades de pesca.

Páginas: anterior 1 2 3 próxima Topo da página


Agostinho Carlos CatellaEnvie um email!
Pesquisador - EMBRAPA/CPAP

  Enviar este artigo por e-mail  Imprimir este artigo  Como citar esse artigo 
:. COMENTÁRIOS
    Clique aqui!  E deixe seu comentário sobre o artigo!

  • desiquilíbrio da natureza -pantanal de ms.
    medidas urgentes tem que ser estudada e tomadas quanto a quantidade de jacaré existente no pantanal de ms. O que esta acabando com os peixes são eles, não algumas centenas ou milhares de pescadores que vão um vez por ano e pegam uma meia dúzia de peixes e vão embora, enquanto de milhões de jacarés estão ali noite e dia durante toda sua vida, comendo sabe-se lá quantos quilos de peixe por dia. Turista como eu que pesca a 20 anos neste pantanal já percebe a diferença na quantidade de peixe que existia antes e o que tem agora. os órgãos competentes precisam urgentemente tomar alguma atitude enquanto é tempo, senão durante poucos anos não haverá peixes nesta região tão abençoada por DEUS e por isso tão maravilhosa e linda.
    carlos pr - 08/06/13 15:29

  • desiquilíbrio da natureza

    carlos-pr - 08/06/13 15:13

  • Respeito ao Pantanal
    Quatro passeios e uma pescaria, estive no Aquidauana a dois anos, e, o melhor comentário é o respeito à naturesa, em seu todo, não sujar, não matar animais de todo gênero,e, pescando não permitir saída e evasão de peixes. Apreciar a carne do peixe só no local, devolver aos rios no ato da pesca. Assim procedi e deveria ser lei, conservar o mais bela região do Brasil, quiçá do UNIVERSO Charlles
    charlles l. m. halley - 30/10/09 21:38

  • pescaria
    se todos preservasem a naturesa nunca ficaremos sem peixe mais e poucos que colaboram gosto muito de pescar mais sou pescador amador mais mesmo assim eu respeito do mesmo jeito para todos que estao lendo essa mensagem eu desejo umas boas ferias de pesca
    gilmar - 07/11/08 20:06

  • PESCA PREDATORIA NO AMAZONAS
    ACHO QUE A PESCA PREDATORIA DEVERIA LEVAR BASTANTE RIQUEZA PARA O NOSSO ESTADO E NAO POLUIR E ACABAR COM OS PEIXES
    keliane - 29/10/08 12:42

  • Re: PESCA PREDATORIA NO AMAZONAS
    Prezada Keliane, Muito obrigado por seu interesse sobre o tema de nosso artigo. Gostaria de aproveitar a oportunidade e fazer algumas considerações: Um aspecto importante a ser enfatizado em relação à pesca, é o fato de que as maiores ameaças à conservação dos recursos pesqueiros do Pantanal (assim como de outras áreas) são decorrentes de fatores externos à pesca. Esses fatores podem ser de origem natural ou antrópica (causados pelo homem). Por meio de diferentes mecanismos, eles podem reduzir a produção natural dos estoques pesqueiros e, consequentemente, a quantidade de peixes disponíveis para a pesca. Os fatores naturais, como a alternância de anos mais cheios ou mais secos, por exemplo, geralmente são cíclicos, ao passo que os antrópicos, como a construção de uma represa, por exemplo, em geral são irreversíveis. De fato, esses fatores externos, quando negativos, podem “imitar” os efeitos da sobrepesca, como consideram vários autores. Além disso, os fatores antrópicos podem ser mais prejudiciais à ictiofauna do que uma eventual sobre-exploração dos estoques. Isto é, os efeitos provocados pela maioria desses fatores são irreversíveis, mas, por outro lado, se os estoques forem sobre-pescados e o ambiente estiver conservado, podem ser adotadas medidas de ordenamento pesqueiro convenientes para que os estoques se recuperem.
    Agostinho Carlos Catella - 29/10/08 04:52

  • pesca
    Devemos considerar que o maior predador do pantanal é o jacaré, ele sim é o maior culpado pela diminuição do pescado no pantanal, a sua captura deveria ser repensada para assim poder manter um melhor equilíbrio ecológico. A proibição de abater jacarés ja cumpriu sua utilidade aumentando catastróficamente a população, devendo agora sim ser controlada e não proíbida.
    valter casagrande - 15/08/07 01:21

  • ????
    Gostaria de saber se é permitido pescar no MS com: Isca artificial? Quanto de peixe ou kg pode trazer? Período permitido p/ pesca? Assistência ao turista pescador? Abraço, PIS
    Pedro Ideraldo Sampaio - 24/05/07 10:52

  • pescaria MS
    Quando fui ao rio miranda pela primeira vez a 12 anos, havia poucos pescadores profissionais e piloteiros. Hoje, aqueles poucos pescadores (se cadastrados ou nao)que moram proximos aos rios, se transformaram em muitos com seus filhos e parentes, dividindo o espaço com os turistas que levam a culpa pela diminuiçao dos peixes. Como os rios sao os mesmos e nao cresce, a pesca profissional deve acabar.
    Joao Elias da Silva - 03/02/07 12:25

  • pesca predatoria
    gostei muito do assunto abortado uma vez que fui pescador amador e sempre defendi a pesca legal sem destruiçao,defendo que hoje nao se pode mais ter a pesca profissional no estado do ms.uma vez que ja nao mais existe peixe nos nossos rios.entendo tambem que a maior responsabilidade da falta de peixes nos rios e dos propios pescadores profissionais e nao dos turistas.a pesca profissional hoje deve ser trocada por outra atividade.
    elias costa gomes - 05/04/06 20:46

  • muito bom
    adorei os comentario na minha proxima pescaria vou manda o meu abraço p/ todos
    sergio jepeiro bitbit - 02/12/04 17:34

  • :. ARTIGOS RELACIONADOS

    Artigos por assunto

    Administração Agribusiness Agricultura de Precisão Agricultura Familiar Agricultura Urbana Agroecologia e orgânicos Agroindústria Agronegócio Agropecuária Familiar Agropesquisa Alimentação Apicultura Avicultura Boi verde e Pecuária orgânica Bovinocultura Caprinocultura Ciência florestal Climatologia Comércio internacional Comunicação Contaminação de águas Cooperativismo Crédito agrícola Crédito Rural Crise Energética Desenvolvimento Rural Desenvolvimento Sustentável Ecologia Educação Exportação Extensão Fauna Silvestre Fertilidade do Solo Fertilidade e conservação do solo Fitopatologia Fitotecnia Forrageiras Fruticultura Genética Horticultura Internet na agricultura Irrigação e Drenagem Marketing Meio ambiente Nutrição animal Ovinocultura Paisagismo Pecuária Leiteira Piscicultura Plantas Daninhas Plantas Medicinais Plantio direto Pragas e doenças Rastreabilidade Animal Sanidade animal Segurança Alimentar Seguro agrícola Sementes Suinocultura Tecnologia Transgênicos Zoonoses
    Copyright © 2000 - 2017 Agronline.com.br