Agronline
Página inicial dos artigos
Início
 
Agricultura
 
Agroinformática
 
Desenv. Rural
Economia Rural
 
Pecuária
 
Os caminhos da convivência com a seca

15/07/2002

:. Do mesmo autor
Produtos locais, municipalidades e a nova SUDENE

Caprinocultura, Produtos e Mercado

A busca da harmonia entre as atividades econômicas e a preservação dos recursos naturais demanda ações bastante abrangentes, exigindo uma ampla ação cooperativa multidisciplinar e multiinstitucional. Por terem sido extremamente setorizados e terem desconsiderado o que o próprio ambiente oferecia é que os programas para o semi-árido não irrigado têm a apresentar resultados apenas pífios. Alheia a tudo isso, a degradação ambiental continua inexorável, com zonas fortemente afetadas já afetando cerca de 22% da superfície total. Alguém muito bem disse que, em termos de recursos hídricos, já estamos tomando emprestada água pertencente à próxima geração. O grande desafio é encontrar não apenas formas de uso do ecossistema caatinga que assegurem a sua preservação, mas, também, que essas formas de uso sejam capazes de proporcionar uma oferta estável de bens e serviços, a custos competitivos, para um mercado cada vez mais exigente.

Nessa concepção, quatro etapas, não necessariamente seqüenciais, podem ser consideradas como prioritárias para que a convivência com a seca deixe de ser uma utopia e se transforme em algo possível de ser alcançado: reversão do processo de degradação ambiental, reordenamento dos espaços agro-econômicos, mudança do padrão tecnológico e inserção no mercado.

Sustar e reverter o atual processo de degradação dos recursos naturais do semi-árido parece ser a primeira medida a ser considerada em um programa de convivência com a seca. Nessas ações não devem ser esquecidos o estabelecimento de dispositivos permanentes de monitoramento que assegurem uma gestão eficiente dessas bacias no futuro e uma profunda reformulação na concepção dos atuais projetos públicos de irrigação, expandindo seus benefícios, via maior integração com as áreas de sequeiro.

O reordenamento dos espaços agro-econômicos é outra medida que se impõe pela acentuada diversificação do semi-árido, exigindo para cada espaço estratégias tecnológicas e de apoio diferenciadas. O zoneamento dos espaços próprios para cada atividade, agrícola ou não agrícola, e o conhecimento acabado de suas limitações e potencialidades, valorizando as especificidades locais, são requisitos básicos para o direcionamento de políticas públicas de apoio com o nível de eficiência requerido para regiões secas. Apenas dezesseis por cento da superfície do semi-árido apresenta bom potencial agrícola. Cerca de trinta e sete por cento dela são inaptos para qualquer atividade agropecuária. O potencial para atividades não agrícolas ainda não foi devidamente dimensionado.

A mudança no padrão tecnológico dos sistemas de produção é, na realidade, o passo crucial que irá permitir a inserção do produtor do semi-árido no mercado. A mudança implica, antes de tudo, a restruturação e o fortalecimento da, hoje esfacelada, rede regional de assistência técnica e extensão rural, e a formação de redes locais, privadas, de apoio técnico. Só assim será possível viabilizar os processos de validação e transferência do enorme acervo de tecnologias e conhecimentos gerados e disponibilizados pela pesquisa e pela própria experiência do produtor.

Páginas: anterior 1 2 próxima Topo da página


Clovis Guimarães FilhoEnvie um email!
Pesquisador - EMBRAPA/CPATSA

  Enviar este artigo por e-mail  Imprimir este artigo  Como citar esse artigo 
:. COMENTÁRIOS
    Clique aqui!  E deixe seu comentário sobre o artigo!

  • Agradecimento
    Parabens Clovis Guimarães Filho, pelo seu artigo "os Caminhos da Convivencia com a seca", realmente é a luz da realidade, e que tomara que as esferas políticas consiga enxergar as quatro etapas para a convivencia com a seca.
    Antonio Luiz Lima - 22/01/07 18:07

  • :. ARTIGOS RELACIONADOS

    Artigos por assunto

    Administração Agribusiness Agricultura de Precisão Agricultura Familiar Agricultura Urbana Agroecologia e orgânicos Agroindústria Agronegócio Agropecuária Familiar Agropesquisa Alimentação Apicultura Avicultura Boi verde e Pecuária orgânica Bovinocultura Caprinocultura Ciência florestal Climatologia Comércio internacional Comunicação Contaminação de águas Cooperativismo Crédito agrícola Crédito Rural Crise Energética Desenvolvimento Rural Desenvolvimento Sustentável Ecologia Educação Exportação Extensão Fauna Silvestre Fertilidade do Solo Fertilidade e conservação do solo Fitopatologia Fitotecnia Forrageiras Fruticultura Genética Horticultura Internet na agricultura Irrigação e Drenagem Marketing Meio ambiente Nutrição animal Ovinocultura Paisagismo Pecuária Leiteira Piscicultura Plantas Daninhas Plantas Medicinais Plantio direto Pragas e doenças Rastreabilidade Animal Sanidade animal Segurança Alimentar Seguro agrícola Sementes Suinocultura Tecnologia Transgênicos Zoonoses
    Copyright © 2000 - 2017 Agronline.com.br