Agronline
Página inicial dos artigos
Início
 
Agricultura
 
Agroinformática
 
Desenv. Rural
Economia Rural
 
Pecuária
 
Os Pulsos de Inundação e o Rio Taquari

14/04/2004

:. Do mesmo autor
A utopia do repovoamento

Peixes Como Recurso Sustentável Do Pantanal

Considerações para definição de períodos de defeso de reprodução: o caso do Pantanal

Os Controles Geológicos e os Pulsos de Inundação no Pantanal

Estratégias para definição de Períodos de Defeso no Pantanal

Gestão sustentável de recursos pesqueiros - O caso do Pantanal

Capital natural: fonte de bens e serviços – o caso do Pantanal

Perspectivas da piscicultura em Mato Grosso do Sul

Estratégias reprodutivas dos peixes do pantanal

Melhoramento genético em peixes – uma revolução na aquicultura do Brasil

O ir e o vir das águas no Pantanal, ou seja, a enchente e a seca, conhecido cientificamente como pulso de inundação é o processo ecológico essencial, ou o fator chave que comanda a riqueza, a diversidade e a abundância de vida no Pantanal.

Por muitos anos, os cientistas que estudaram o funcionamento da Amazônia procuraram desenvolver a teoria dos pulsos de inundação, mostrando que era o processo que comandava a riqueza e diversidade de vida nos ambientes inundáveis da região. O que faltava era a contraprova.

Infelizmente, essa contraprova foi encontrada no Pantanal, mais especificamente no rio Taquari. Por todo um processo de ocupação humana, aliada a sua história geológica, o rio Taquari é naturalmente suscetível ao assoreamento e teve esse processo acelerado nas últimas décadas, como mostram os estudos realizados pelos pesquisadores da Embrapa Pantanal. As conseqüências são de conhecimento de todos. Uma enorme área, estimada em 11.000 km2, passou a ficar permanentemente alagada na planície pantaneira, inviabilizando a atividade econômica tradicional de pecuária extensiva. Ao mesmo tempo, foi observada uma redução da produção pesqueira na bacia, como mostram os dados comparativos de estatísticas de pesca existentes. Se nos anos em que o INAMB (Instituto de Preservação e Controle Ambiental) coletou informações, de 1979 a 1983, a captura de peixes era, em média, de 485 toneladas ao ano, a partir do ano de 1994, quando foi implantando o Sistema de Controle de Pesca de Mato Grosso do Sul, a média observada tem sido ao redor de 62 toneladas ao ano, ou seja, cerca de 7 vezes inferior aos anos anteriores. Nesse rio, a situação ainda é agravada por toda uma cultura de pesca predatória que é mais intensa na época da reprodução, comprometendo ainda mais a reposição dos estoques.

A história da ocupação do baixo Taquari mostra toda uma convivência com o rio, na medida em que, ao ameaçar romper suas margens e inundar os campos laterais, os fazendeiros faziam todo um trabalho de manutenção de barrancas e mesmo de fechamento desses arrombamentos quando os mesmos aconteciam. Neste contexto de erosão acelerada nos planaltos e assoreamento em igual proporção na planície, os fazendeiros tentaram manter os métodos tradicionais de contenção de alagamento, mas foram impedidos pela Promotoria de Justiça do Meio Ambiente, através da alegação dos pescadores que responsabilizavam a redução da produção pesqueira ao fechamento dos arrombamentos e procuravam formar novos arrombados na esperança de ver o retorno do peixe, pois a crença é que onde “há água, há peixe”. Assim, encontram-se hoje 11.000 km2 permanentemente alagados e nem por isso houve aumento na produção pesqueira, muito pelo contrário, a redução continua.

Páginas: anterior 1 2 3 próxima Topo da página


Emiko Kawakami de ResendeEnvie um email!
Bióloga - EMBRAPA/CPAP

  Enviar este artigo por e-mail  Imprimir este artigo  Como citar esse artigo 
:. COMENTÁRIOS
    Clique aqui!  E deixe seu comentário sobre o artigo!

:. ARTIGOS RELACIONADOS

Artigos por assunto

Administração Agribusiness Agricultura de Precisão Agricultura Familiar Agricultura Urbana Agroecologia e orgânicos Agroindústria Agronegócio Agropecuária Familiar Agropesquisa Alimentação Apicultura Avicultura Boi verde e Pecuária orgânica Bovinocultura Caprinocultura Ciência florestal Climatologia Comércio internacional Comunicação Contaminação de águas Cooperativismo Crédito agrícola Crédito Rural Crise Energética Desenvolvimento Rural Desenvolvimento Sustentável Ecologia Educação Exportação Extensão Fauna Silvestre Fertilidade do Solo Fertilidade e conservação do solo Fitopatologia Fitotecnia Forrageiras Fruticultura Genética Horticultura Internet na agricultura Irrigação e Drenagem Marketing Meio ambiente Nutrição animal Ovinocultura Paisagismo Pecuária Leiteira Piscicultura Plantas Daninhas Plantas Medicinais Plantio direto Pragas e doenças Rastreabilidade Animal Sanidade animal Segurança Alimentar Seguro agrícola Sementes Suinocultura Tecnologia Transgênicos Zoonoses
Copyright © 2000 - 2017 Agronline.com.br