Agronline
Página inicial dos artigos
Início
 
Agricultura
 
Agroinformática
 
Desenv. Rural
Economia Rural
 
Pecuária
 
Penas de aves como indicadores de mercúrio no pantanal

26/04/2006

:. Do mesmo autor
Pantanal: Um bioma ameaçado

A Problemática Socioeconômica e Ambiental da Bacia do Rio Taquari e Perspectivas

O Agronegócio no Pantanal e a Necessidade de Diversificação Agropecuária

Tendências do Agronegócio no Pantanal e a Globalização da Economia

Pantanal: Risco de Contaminação por Biocidas

Potencial do Agronegócio no Pantanal e a Demanda por Tecnologias

E o Jacaré do Pantanal pode também se contaminar por Mercúrio?

O Pantanal e a acontaminação por Mercúrio

Níveis de Mercúrio na Carne de Peixes como Indicadores de Contaminação do Pantanal.

A EMBRAPA e a conservação do Pantanal

Não há mais dúvida que a expansão desordenada da agropecuária e agroindústrias nos planaltos da Bacia do Alto Paraguai, estão contribuindo para acelerar o processo de degradação ambiental do Pantanal. Além dos processos erosivos e o subseqüente assoreamento dos sistemas aquáticos, muitos estudos revelam que a utilização de pesticidas na agropecuária são fontes potenciais dinâmicas de metais pesados para os ecossistemas aquáticos da planície. Investigações da Embrapa Pantanal, indicam que o mercúrio (Hg) empregado na extração de ouro de aluvião nos garimpos de Poconé, adjacentes ao Pantanal, desde o início dos anos 80, está elevando os teores desse metal nas cadeias alimentares. Uma das dificuldades na procissão dessa poluição é definir indicadores com potencial de expressar a concentração de Hg, sem grandes dificuldades de amostragem, boa reprodutibilidade dos resultados analíticos e que permita o monitoramento.

As aves, pôr ocuparem nível trófico elevado, comparável ao do homem, são muito usadas como uma boa e precoce indicação do potencial de poluição passível de ser perigoso ao homem. As espécies de aves aquáticas que se alimentam de peixes, como estão presentes em todos os “habitats” de água doce e pôr ocuparem diferentes nichos ecológicos, têm elevado potencial de serem utilizadas como bons indicadores de contaminação ambiental em cadeias alimentares aquáticas. Muitos estudos têm evidenciado que as aves constituem-se em organismos muito sensíveis e vulneráveis às contaminações ambientais pôr substâncias xenobióticas, principalmente aquelas que se biomagnificam nas cadeias alimentares, como é o caso do mercúrio.

A demonstração de que penas se constituem num bom indicador de mercúrio no diagnóstico de poluição ambiental foi aconteceu em 1966,na Suécia.

A Suécia foi pioneira no emprego de penas no diagnóstico de poluição ambiental pôr mercúrio. Posteriormente foi verificado que 50% do mercúrio acumulado no corpo de uma dada espécie de garça-branca, tanto jovens quanto adultas, se encontrava nas penas. Foi também demonstrado que o mercúrio depositado nas penas durante o processo de sua formação não sofre alteração na sua concentração. Em função disso, penas de aves que vivem em ambientes alagados no Pantanal foram utilizadas na prospecção de Hg ambiental. A literatura cita que penas de aves são vantajosas porque são facilmente conservadas e o Hg acumulado pôr ocasião da sua formação, além de refletir o nível de Hg na dieta, não sofre alterações durante o armazenamento, permitindo o monitoramento ao longo do tempo. Para viabilizar esse diagnóstico, desenvolvemos uma pesquisa para verificar se a espécie de ave, o sexo e a época de captura são fatores que influenciam a de concentração de Hg nas penas primárias nas condições do Pantanal. O mercúrio total nas penas provenientes de 91 indivíduos de 4 espécies de aves, sendo 18 biguás, 19 garças-brancas-grandes, 30 gaviões-caramujeiros e 24 carões foi analisado por espectrofotometria de absorção atômica. Os resultados evidenciaram que as espécies testadas apresentam mecanismos diferenciados de bioconcentração de Hg nas penas primárias. A concentração média e o desvio-padrão de Hg (mg.g.-1 – base úmida) nas penas das aves avaliadas foram: biguá (1,99 ± 0,86), garça (1,93 ± 0,96), gavião caramujeiro (1,29 ± 0,67) e carão (0,64 ± 0,39). respectivamente. É interessante constatar que todas as médias estão acima de 0,5 mg.g.-1 , que é o limite máximo

Páginas: anterior 1 2 próxima Topo da página


Luiz Marques VieiraEnvie um email!
Pesquisador - EMBRAPA/CPAP

  Enviar este artigo por e-mail  Imprimir este artigo  Como citar esse artigo 
:. COMENTÁRIOS
    Clique aqui!  E deixe seu comentário sobre o artigo!

:. ARTIGOS RELACIONADOS

Artigos por assunto

Administração Agribusiness Agricultura de Precisão Agricultura Familiar Agricultura Urbana Agroecologia e orgânicos Agroindústria Agronegócio Agropecuária Familiar Agropesquisa Alimentação Apicultura Avicultura Boi verde e Pecuária orgânica Bovinocultura Caprinocultura Ciência florestal Climatologia Comércio internacional Comunicação Contaminação de águas Cooperativismo Crédito agrícola Crédito Rural Crise Energética Desenvolvimento Rural Desenvolvimento Sustentável Ecologia Educação Exportação Extensão Fauna Silvestre Fertilidade do Solo Fertilidade e conservação do solo Fitopatologia Fitotecnia Forrageiras Fruticultura Genética Horticultura Internet na agricultura Irrigação e Drenagem Marketing Meio ambiente Nutrição animal Ovinocultura Paisagismo Pecuária Leiteira Piscicultura Plantas Daninhas Plantas Medicinais Plantio direto Pragas e doenças Rastreabilidade Animal Sanidade animal Segurança Alimentar Seguro agrícola Sementes Suinocultura Tecnologia Transgênicos Zoonoses
Copyright © 2000 - 2017 Agronline.com.br