Agronline
Página inicial dos artigos
Início
 
Agricultura
 
Agroinformática
 
Desenv. Rural
Economia Rural
 
Pecuária
 
Pragas do cafeeiro em Rondônia

23/11/2007

A cultura do café está sujeita ao ataque de pragas, que de conformidade com as condições climáticas, sistema de cultivo ou desequilíbrio biológico, pode causar danos consideráveis, prejudicando o desenvolvimento e produção das plantas. Na região amazônica, particularmente em Rondônia, onde o sistema monocultural é predominante, prevalecem condições ambientais com alto potencial de susceptibilidade a pragas habitualmente existentes neste agroecossistema.

Principais pragas

1. Broca-do-café - a praga é responsável por grandes perdas no rendimento do café Conilon, variedade mais cultivada no Estado. Com a penetração da broca no fruto, inicia-se o processo de destruição parcial ou total da semente pela ação do inseto e/ou fungos que penetraram na galeria, causando apodrecimento da mesma. Após a fecundação das fêmeas nos frutos, estas os abandonam e vão atacar novos frutos e continuar os seus ciclos reprodutivos.

Uma das alternativas, para a redução do ataque da broca, é uma colheita bem feita e um repasse se necessário, para evitar a sobrevivência dessa praga e evitar que ela passe para os frutos novos da próxima safra.

A Embrapa Rondônia vem efetuando pesquisas para determinar os melhores isolados de Beauveria bassiana, que é um fungo que controla biologicamente a praga. Em seguida serão definidos a concentração, a época e o método de aplicação mais apropriado para as condições de Rondônia. Com relação ao controle químico, este deve ser iniciado quando a infestação atingir 3%, utilizando-se inseticida de princípio ativo Endosulfan (350g/L), na dosagem de 1,5 a 2,0 L/ha do produto comercial.

2. Ácaro-vermelho – o ácaro vermelho vive na parte superior das folhas, é muito pequeno, podendo ser visível a olho e facilmente observado em lupa de bolso. O sintoma típico do ataque é o bronzeamento da folha, que é uma reação à raspagem e sucção de parte do conteúdo celular, feita pela praga durante sua alimentação.

Recomenda-se, quando por condição de desequilíbrio ou forte estiagem e o ataque for grave, fazer aplicações de acaricidas específicos.

Páginas: anterior 1 2 próxima Topo da página


José Nilton Medeiros Costa Envie um email!
Pesquisador - EMBRAPA/CPAFRO

  Enviar este artigo por e-mail  Imprimir este artigo  Como citar esse artigo 
:. COMENTÁRIOS
    Clique aqui!  E deixe seu comentário sobre o artigo!

:. ARTIGOS RELACIONADOS

Artigos por assunto

Administração Agribusiness Agricultura de Precisão Agricultura Familiar Agricultura Urbana Agroecologia e orgânicos Agroindústria Agronegócio Agropecuária Familiar Agropesquisa Alimentação Apicultura Avicultura Boi verde e Pecuária orgânica Bovinocultura Caprinocultura Ciência florestal Climatologia Comércio internacional Comunicação Contaminação de águas Cooperativismo Crédito agrícola Crédito Rural Crise Energética Desenvolvimento Rural Desenvolvimento Sustentável Ecologia Educação Exportação Extensão Fauna Silvestre Fertilidade do Solo Fertilidade e conservação do solo Fitopatologia Fitotecnia Forrageiras Fruticultura Genética Horticultura Internet na agricultura Irrigação e Drenagem Marketing Meio ambiente Nutrição animal Ovinocultura Paisagismo Pecuária Leiteira Piscicultura Plantas Daninhas Plantas Medicinais Plantio direto Pragas e doenças Rastreabilidade Animal Sanidade animal Segurança Alimentar Seguro agrícola Sementes Suinocultura Tecnologia Transgênicos Zoonoses
Copyright © 2000 - 2017 Agronline.com.br