Agronline
Página inicial dos artigos
Início
 
Agricultura
 
Agroinformática
 
Desenv. Rural
Economia Rural
 
Pecuária
 
Produtos locais, municipalidades e a nova SUDENE

02/03/2004

:. Do mesmo autor
Os caminhos da convivência com a seca

Caprinocultura, Produtos e Mercado

Para a região semi-árida, a identificação de novas oportunidades de mercado para os produtos locais e a sua valorização, enfatizando suas características diferenciadas, melhorando e certificando seus padrões de qualidade e conferindo-lhes uma forte identidade territorial e cultural, pode constituir o contraponto à globalização e dar-lhes a necessária competitividade. Pela sua diversidade ambiental e riqueza cultural, as atividades agrícolas do Semi-Árido oferecem um espaço extremamente promissor para um trabalho com esse enfoque. Nesse contexto, o fortalecimento das parcerias das organizações de produtores com programas públicos massivos de alimentação, já existentes ou potencialmente possíveis de serem implantados constitui, sem dúvida, uma linha prioritária. Esta alternativa compreende, principalmente, as compras governamentais, estaduais e municipais, ou mesmo privadas, para merenda escolar, programas de distribuição de alimentos para populações carentes, creches, hospitais, quartéis, fábricas, entre outros. Esta vertente de atuação, além de permitir a circulação local da maior parte do dinheiro, apresenta, a vantagem de contornar o problema crucial da logística do abastecimento e da distribuição dos produtos na região. O resultante surgimento de grande número de agroindústrias de pequeno porte, aliado a natureza desses produtos, dispensa ou reduz a necessidade de investimentos públicos em câmaras frigoríficas e outras demandas do gênero. As parcerias privilegiariam os produtos locais, mesmo que alguns deles se limitassem a ofertas estacionais. São inúmeras as experiências positivas dessa natureza, em vários estados. As com leite de cabra e de vaca no sertão do Cabugí (RN) e com leite de cabra no Cariri Ocidental (PB) são exemplos de experiências de maior escala que precisam ser apoiadas no sentido de consolidá-las e expandí-las, inclusive para outros estados.O apoio principal a essas experiências deve abranger, para o conjunto produção-beneficiamento-distribuição, o fortalecimento das redes locais de apoio técnico, o crédito simplificado e a adequação de uma legislação sanitária, fiscal e tributária que considere todo o contexto da realidade agro-ecológica e sócio-econômica do Semi-Árido.

Em algumas regiões a merenda escolar tem se mostrado um dos mais eficazes instrumentos de apoio nas etapas iniciais desses processos. A maior parte das municipalidades, contudo, apresenta uma acentuada debilidade estrutural, impedindo a disseminação desses programas, especialmente nas regiões mais carentes. Mecanismos de estímulos a esses municípios, portanto, precisam ser concebidos pela nova SUDENE, no sentido de propiciar-lhes condições mínimas de infra-estrutura para apoiar esse trabalho (pessoal técnico, mini-laticínios, abatedouros formais, galpões de armazenagem). Um potencial instrumento de apoio a esses programas poderia advir da instituição de mecanismos de incentivos fiscais e financeiros aos municípios, utilizando recursos do Fundo de Financiamento de Externalidades e de Apoio a Iniciativas de Desenvolvimento Local, um dos instrumentos operacionais com que a nova agência deve contar. A idéia seria de premiar os municípios das zonas secas em função do seu esforço na regionalização dos produtos da merenda escolar . Quanto maior o percentual de produtos regionais ou locais utilizado nos seus programas de merenda escolar, maiores seriam os bônus que esses municípios receberiam. Esses benefícios, a serem obrigatoriamente aplicados no apoio aos arranjos produtivos envolvidos, poderiam ser traduzidos, alternativamente, em um maior repasse nos fundos de participação ou em outras formas de crédito, a serem mais bem definidas por especialistas no assunto. Poderiam ser instituídas faixas de percentuais de regionalização de produtos, com níveis crescentes de bonificação, que funcionariam como forças indutoras de maior empenho das municipalidades em atingí-las. Outra alternativa, talvez de mais fácil operacionalização, seria o estabelecimento de um percentual mínimo de regionalização para se credenciar a bonificação. Inicialmente seriam elegíveis apenas os municípios localizados nas zonas mais secas do Semi-Árido que apresentassem IDH abaixo de um determinado valor (0,500 por exemplo). Os mecanismos de bonificação privilegiariam grupos de municípios, ao invés de municípios isoladamente, induzindo a formação de consórcios e permitido aos processos de monitoramento e avaliação a serem utilizados pela SUDENE uma visão mais eficiente dos impactos, sob a ótica da territorialidade. Fortalecidos ou consolidados os arranjos produtivos ao nível micro-regional, estaria aberto o caminho para a busca de outros mercados (regional, nacional e até internacional), utilizando os instrumentos específicos de apoio ao aumento da competitividade dos seus produtos que estão sendo definidos pela SUDENE. Entre os produtos do Semi-Árido potencialmente aproveitáveis em programas dessa natureza, podem ser citados as carnes secas do caprino e o do ovino, o leite de cabra e de vaca e seus derivados (queijos e iogurts), a tilápia, as frutas regionais, como o umbu e o caju (“in natura” ou nas formas de sucos, como a cajuína, ou de doces e geléias), os produtos apícolas, a farinha e o beiju de mandioca, a rapadura, os derivados do milho e o feijão-de-corda. Na busca de proporcionar a auto-sustentabilidade às municipalidades com elevada concentração de pobreza, esta é uma alternativa que, por sua capacidade de fortalecer os vínculos socioeconômicos e culturais entre municípios, promovendo a diversificação e a dinamização das economias micro-regionais, poderia ser aprimorada e validada.

Clovis Guimarães FilhoEnvie um email!
Pesquisador - EMBRAPA/CPATSA

  Enviar este artigo por e-mail  Imprimir este artigo  Como citar esse artigo 
:. COMENTÁRIOS
    Clique aqui!  E deixe seu comentário sobre o artigo!

  • continuação: Sugestão anterior
    ... Como era de se esperar até hoje nenhuma providencia plausivel foi tomada por parte do gonverno federal com vistas ao restabelecimento da Sudene,conforme muito se falou nos palanques de todo nordeste por ocasião das campanhas que cuminou na ida de Luiz Inácio Lula da Silva a presidencia da república.Veja bem, em se tratando de nordeste,logo se percebe que tudo que se houvio não passou de uma fa lácia sem compromisso ao nosso querido povo nordestino que ao longo dos tempos são vitimas de enganação poli- ticas, pratica muito frequente nos pleitos de todo Bra sil, e principalmente aqui nos grotões onde vive uma população menos esclarecidas e pobre, que mesmo sendo vitimas desta modalidade, votam nos mesmos politicos e por conseguintes são novamente esquecidos., é um Brasil sem rumo, um dia desses nossa politica ainda de tona o que ainda resta do nosso sistema falido.
    José Doroteu Ferreira - 26/05/07 08:53

  • reformulação/sugestaão -faz
    senhores, senhoras, bom dia, quero neste momento como cidadão brasileiro e nordes tino expressar meu ponto de vista sobre , reformulação da nova sudene, que segundo promessa do atual presidente da republica ainda em campanha,trazia ela a tona.razão pelaqual,queremos salientar aqui, que por muitos anos a autarquia servio simplesmen para auto promover policos da região, numa robalheira desenfreada, com projetos fan tasmas que nunca saio do papel, eo dinhei ro tomave chá de sumiço.SUGESTÃO: A autar quia seria seria deslocada para o Ministe rio do planejamneto orçamento e gestaõ, o o orçamento dela do imposto de renda;e não do orçamento geral da união; seu superinten dente com mandato fixo de seis anos, sempre um tecnico sem nehuma influencia politica,o que daria uma maior confiabilida na execução dos projetos e finaciamento. outrossim, a sudene na versão anterior deixou muitas vevez de cumpri seu verdadeiro papel, que seria de senvolver o nordeste. porque? deu prioridade a grandes elefantes brancos, menospresando os pequenos agritores e o micro-empresário em um todo,não sabendo que o pequeno paga, quer tem retorno, o grande da calote, ao cometer este engano levou a sudene para situação vexaminosa, que culminou no seu faixamento. é tempo de inovar? é,o que houve serve como aprendiz,a região nordeste, como aa demais precisam de desenvolvimento sustentável sim pricipalmente a região nordeste,mais vamos esta parte deve estar nas mão de setores tec nicos,nas mãos de homens probos, que não veja essas cousas pelo o olha da cubiça, quer dizer,que não vejam somente seu lado, mais possam levar as cousas a serio.O brasil carecem, são poucos os homesn serios neste pais.pricipalmente no ambito politico,cremos que a sudene volte a desenpenhar seu verdadei ro papel, que haja um conselho deliberativo de cunho, capaz de levar o sofrido nordeste a um lugar de honra, porque até hoje tem ser vido somente de trampolim para aqueles que usam a miséria para suas carreiras afortunadas, chega, de politicagem, chega de mentiras, chega de arroubos, vamos juntos res tabelecer a sudene eo nordeste. obrigado os a sam
    JOSÉ DOROTEU FERREIRA - 16/08/05 10:57

  • :. ARTIGOS RELACIONADOS

    Artigos por assunto

    Administração Agribusiness Agricultura de Precisão Agricultura Familiar Agricultura Urbana Agroecologia e orgânicos Agroindústria Agronegócio Agropecuária Familiar Agropesquisa Alimentação Apicultura Avicultura Boi verde e Pecuária orgânica Bovinocultura Caprinocultura Ciência florestal Climatologia Comércio internacional Comunicação Contaminação de águas Cooperativismo Crédito agrícola Crédito Rural Crise Energética Desenvolvimento Rural Desenvolvimento Sustentável Ecologia Educação Exportação Extensão Fauna Silvestre Fertilidade do Solo Fertilidade e conservação do solo Fitopatologia Fitotecnia Forrageiras Fruticultura Genética Horticultura Internet na agricultura Irrigação e Drenagem Marketing Meio ambiente Nutrição animal Ovinocultura Paisagismo Pecuária Leiteira Piscicultura Plantas Daninhas Plantas Medicinais Plantio direto Pragas e doenças Rastreabilidade Animal Sanidade animal Segurança Alimentar Seguro agrícola Sementes Suinocultura Tecnologia Transgênicos Zoonoses
    Copyright © 2000 - 2017 Agronline.com.br