Agronline
Página inicial dos artigos
Início
 
Agricultura
 
Agroinformática
 
Desenv. Rural
Economia Rural
 
Pecuária
 
Reflexões sobre a pesca esportiva no pantanal sul: Crise e perspctivas

15/03/2004

:. Do mesmo autor
O monitoramento da pesca no pantanal do Mato Grosso do Sul

Banco de sêmen congelados de peixes do pantanal

Considerações sobre o manejo da pesca no estado de MT

Pesca profissional: desafios e oportunidades

Conhecimento ecológico tradicional e manejo de pesca

Uma nova visão do manejo pesqueiro

Aspectos ecológicos e culturais da pescaria de anzol

Informações pesqueiras - conhecer para decidir

A pesca é uma importante atividade econômica e social realizada no Pantanal e em toda a Bacia do Alto Paraguai em Mato Grosso do Sul (BAP/MS) nas modalidades profissional artesanal, esportiva (=amadora) e de subsistência.

A fim de conhecer, tanto a dinâmica das populações de peixes como a própria atividade de pesca foi implantado o Sistema de Controle da Pesca de Mato Grosso do Sul (SCPESCA/MS) em 1994, numa parceria entre a Embrapa Pantanal, a Polícia Militar Ambiental e a Secretaria de Estado de Meio Ambiente/MS. Esse sistema realiza a coleta e a analise de informações sobre a pesca em toda a BAP/MS, tais como quantidade de pescado capturado por espécie, por rio, por mês, número mensal de pescadores que atuaram nos diferentes rios e etc. Assim, obtém-se uma descrição anual detalhada sobre a pesca.

Com o acúmulo de dados é possível identificar as principais tendências, tanto das populações de peixes como dos aspectos sócio-economicos da atividade, o que permite fazer previsões e apontar as diferentes opções para o manejo. Esses conhecimentos são disponibilizados na forma de publicações e encaminhados como subsídios para as tomadas as decisões no Conselho Estadual de Pesca de Mato Grosso do Sul (Conpesca/MS).

Crise do setor turístico pesqueiro

As informações obtidas pelo SCPESCA/MS revelam que, entre 1994 e 1999 o desembarque total médio foi de 1.415 t/ano no Pantanal Sul, sendo 1.085 t/ano (76%) capturado pelos pescadores esportivos e 330 t/ano (24%) pelos pescadores profissionais. Durante esse período, o número de pescadores esportivos registrados no Pantanal Sul aumentou anualmente e atingiu um máximo de 59 mil em 1999, mas vem reduzindo desde então para 43 mil em 2000, 35 mil em 2001 e 30 mil em 2002. Além da diminuição do número de pescadores esportivos a legislação estadual estabeleceu uma redução progressiva da cota de captura permitida aos pescadores esportivos a partir de 2000. Desse modo, o desembarque pesqueiro total em 2002 foi equivalente a 678 toneladas, sendo 366 t (54%) capturado pelos pescadores esportivos e 312 t (46%) pelos pescadores profissionais. Essa redução do número de pescadores esportivos vem causando dificuldades para o setor turístico pesqueiro de Mato Grosso do Sul. Contudo, é importante procurar compreender o porque desse fato, uma vez que o turismo interno no Brasil intensificou-se com o aumento do dólar a partir de 1999. Embora seja difícil determinar as causas dessa redução, ela certamente está associada a fatores como:

- concorrência com outras áreas que estão se estruturando para a pesca esportiva no país, como as bacias Amazônica e Araguaia-Tocantins, assim como outras áreas da Bacia do Prata na Argentina e no Paraguai;

- dificuldade de acesso rodoviário a algumas das principais áreas de destino dos pescadores esportivos, em função da precariedade da conservação das estradas e da interrupção dos vôos diários de grandes aeronaves para Corumbá, no segundo semestre de 2002;

- desinteresse de um segmento dos pescadores esportivos em atuar no Estado, em função da diminuição da cota de captura a partir do ano 2000;

- entre os anos de 1998 e 2001 ocorreram "pequenas cheias" em relação àquelas dos últimos anos. Esse fato provavelmente reduziu a produção natural de peixes e, por conseguinte o rendimento da pesca, o que poderia também diminuir o interesse de pescadores esportivos.

Páginas: anterior 1 2 3 4 próxima Topo da página


Agostinho Carlos CatellaEnvie um email!
Pesquisador - EMBRAPA/CPAP

  Enviar este artigo por e-mail  Imprimir este artigo  Como citar esse artigo 
:. COMENTÁRIOS
    Clique aqui!  E deixe seu comentário sobre o artigo!

  • pesca
    Pesco no pantanal todos os anos desde 1989,quando a cota era de 50 kilos mais um exemplar e ai por diante so vem caindo ate os dia de hoje nos 10 kilos.quem e pescador amador sabe que e muito dificil pegar a cota mas para um profissional e muito facil pegar muito peixe com outros artificil.quem esta acabando com o peixe sao os profissionai entre aspas e a grande quantidade de jacares que esta um abisurdo a quantidade aumentou indiscriminadamente se cada jacare come deis porcento de seu peso por dia e emedia cada um pesa em torno de oitenta quilos sao oito quilos diariamente cada um, mais existem milhares deles ja imaginou quantas toneladas eles comen de peixe por dia ?
    Adailton Nucci - 12/03/10 20:49

  • pesca
    a pesca artesanal deveria ser mais respeitada pelos orgao pubrico. e tambem pelos pescadores amador principalmente no rio paraiba do sul
    jorge carvalho cruz - 30/06/08 21:55

  • QUEM ACABA COM O PEIXE
    QUERO DEIXAR REGISTRADO DE QUEM ACABA COM OS PEIXES, NÃO É O PESCADOR AMADOR, ( TURISTA), POIS ESTE SÓ VAI UMA VEZ POR ANO. NA REALIDADE QUEM ACABA É O PESCADOR PROFISSIONAL, E AQUELES QUE ABASTECEM AS REDES HOTELEIRAS. SOBRE ESTES A FISCALIZAÇÃO FECHA OS OLHOS.
    helioh - 21/07/06 16:47

  • cotas
    ja que sa cotas abacharam . porque as pousada ñ ver os seu preço da diaria. obrigado . pode me da a responta
    sergio jipeiro(carioca) - 06/02/06 04:29

  • cota de peixes e preservacao !
    BOA TARDE ! GOSTARIA DE DEIXAR MINHA OPINIAO SOBRE O QUE ACONTECE NO PANTANAL EM RELACAO AO TURISTA PESCADOR E A PRESERVACAO ! EU FUI AO PANTANAL POR TRES ANOS CONSECUTIVOS, E NAO ACHO QUE NÓS TURISTAS É QUE ACABAMOS COM TUDO ! ESTABELECERAM COTAS, EM 2004 POR EXEMPLO, FOI 10 KG E 1 ESPECIE, MAS EU E MEUS COMPANHEIROS AS VEZES PESCAVA A COTA EM DOIS DIAS, DE 5 DE PESCA, MAS MESMO ASSIM, AO INVES DE AVER UM INCENTIVO DOS PILOTEIROS PARA QUE SOLTACEMOS O EXCESSO, CONTINUAVAMOS A EMBARCAR OS PEIXES MESMO QUE SENDO NA MEDIDA, E NO DIA DE IRMOS EMBORA, SO LEVAMOS A COTA. AI EU PERGUNTO! ONDE FICA O EXEDENTE DE TODOS PESCADORES TURISTAS QUE PEGAM ACIMA DA COTA TODAS AS TEMPORADAS ? FICA COM O HOTEL? FICA COM OS PILOTEIROS ? POR ISSO QUE O TURISTA FICA CADA VEZ COM MENOS VONTADE DE IR AO PANTANAL ! PORQUE DA QUI A POUCO, TEMOS QUE COMPRAR O PEIXE QUE NÓS MESMOS PESCAMOS EM NOSSOS MERCADOS AQUI NA CIDADE ! OS ORGAOS COMPETENTES DEVERIAM FISCALIZAR MAIS ESTE OUTRO LADO NEGRO DAS PESCARIAS ! OS PEIXES CHEGAM NA MEDIDA MINIMA E SAO ABATIDOS S/ CONTROLE, ESTÁ CADA VEZ MAIS DIFICIL PESCAR 1 EXEMPLAR ACIMA DA MEDIDA COMO ANTIGAMENTE ! NAO ADIANTA PRESERVAR SÓ OS PEIXES FORA DE MEDIDA, PODEMOS PRESERVAR OS DE MEDIDA TAMBEM PARA QUE CADA VEZ QUE PESQUEMOS NO PANTANAL, POSSAMOS PESCAR TAMBEM, MESMO QUE ESPORTIVAMENTE PEIXES MAIORES ! ESTAMOS TRAZENDO NOSSAS COTAS, MAS MATANDO OUTRAS 1, 2 OU TRES VEZES AS COTAS POR LÁ NAS MAOS DE DONOS DE HOTEIS OU PILOTEIROS !!! ELES NAO ACHAM RUIM DE PEGARMOS MAIS DO QUE AS COTAS !!!! V A M O S V E R I S T O COM MAIS CARINHO ! CADA VEZ QUE DIMINUIR A COTA PARA NÓS PESCADORES, VAI FICAR MAIS PEIXE DE MEDIDA MORTO NOS HOTEIS DO PANTANAL !!!! GOSTARIA DE UM RETORNO SOBRE MEU COMENTARIO !!!
    RICARDO DA COSTA PROENCA - 30/08/05 16:20

  • Comentarios
    Parabens, o artigo apresentado mostra um elevado conhecimento sobre o nosso Pantanal e suas causas. E bom saber que existem brasileiros preocupados com esse fato. Sou aluno de Geografia (licenciatura) da Universidade Federal do RS (Campus Rio Grande - FURG) e desenvolvo o meu projeto de graduação sobre o Pescador Artesanal de Corumba-MS. Obrigado, um Abraco.
    Renato Filgueiras de Moraes filho - 25/03/05 21:00

  • :. ARTIGOS RELACIONADOS

    Artigos por assunto

    Administração Agribusiness Agricultura de Precisão Agricultura Familiar Agricultura Urbana Agroecologia e orgânicos Agroindústria Agronegócio Agropecuária Familiar Agropesquisa Alimentação Apicultura Avicultura Boi verde e Pecuária orgânica Bovinocultura Caprinocultura Ciência florestal Climatologia Comércio internacional Comunicação Contaminação de águas Cooperativismo Crédito agrícola Crédito Rural Crise Energética Desenvolvimento Rural Desenvolvimento Sustentável Ecologia Educação Exportação Extensão Fauna Silvestre Fertilidade do Solo Fertilidade e conservação do solo Fitopatologia Fitotecnia Forrageiras Fruticultura Genética Horticultura Internet na agricultura Irrigação e Drenagem Marketing Meio ambiente Nutrição animal Ovinocultura Paisagismo Pecuária Leiteira Piscicultura Plantas Daninhas Plantas Medicinais Plantio direto Pragas e doenças Rastreabilidade Animal Sanidade animal Segurança Alimentar Seguro agrícola Sementes Suinocultura Tecnologia Transgênicos Zoonoses
    Copyright © 2000 - 2017 Agronline.com.br